foto: reprodução Governo do Pará

Os municípios do nordeste e sudeste paraense, que dependem da Alça Viária para abastecimentos de alimentos e escoamento de produtos, aguardam pelos primeiros impactos no cotidiano da população após queda de parte da ponte segunda ponte sobre o rio Moju.

Em março de 2014, quando a quarta ponte da Alça Viária também no rio Moju (Moju/Cidade), foi atingida por uma balsa, a população enfrentou longos 21 meses de transtornos diários. As dificuldades vão além das limitações e demora das viagens, da espera nas longas filas de embarcação, elas atingem o bolso da população.

Os prejuízos para locomoção de pessoas, mercadorias, insumos e produção agrícola, já são aguardados pelos setores da economia. Para alguns empresários, custos que não estavam previstos geralmente são repassados aos consumidores.

Impacto também na produção e escoamento de grãos como soja e milho. A produção está em plena colheita e precisa de velocidade para não atrasar, pois, a colheita deve ser feita no tempo correto. (Verificar se afetará rota do Porto de Barcarena)

Os transtornos atingem também a área da saúde dessas cidades, principalmente, Tailândia, no nordeste paraense. Diariamente dezenas de pacientes são transferidos de ambulâncias para unidades hospitalares da capital. O tempo de viagem que já era longo, dependendo da cidade, deve aumentar ainda mais. Mesmo as ambulâncias tendo prioridades na travessia da balsa, os contratempos para quem já está doente são inevitáveis.

Para pacientes de Tailândia, em estado de saúde grave, e que precisam de transferência urgente, a boa notícia foi o retorno do aeromédico após liminar do Tribunal de Justiça do Pará. Com a ponte neste estado, esse será um bom momento para o funcionamento da UTI área.

O prazo estipulado pelo governo para recuperação da ponte foi de 12 meses. Até lá, medidas para diminuir os impactados no interior e na capital foram anunciadas pelo governador Helder Barbalho.

Nossa impressão é que se estivéssemos dentro de um ônibus a orientação seria, aperte o sinto e prepare os bolsos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *