Comer legumes e verduras pesou no bolso do paraense no primeiro semestre de 2020, apontam pesquisas realizadas pelo Dieese/PA. De janeiro a junho, a maioria dos produtos hortis comercializados em supermercados e feiras livres sofreram reajustes acima da inflação, com destaque para o preço da cebola, que teve alta acumulada de mais de 100% e saltou de R$ 3,19 (janeiro) para R$ 6,68 (junho).

Segundo o balanço do Dieese/PA, as altas de preços mais expressivas no primeiro semestre foram do kg da cebola, com reajuste acumulado de 108,10%; seguida da batata (kg), com alta de 65,26%; cenoura (kg), com alta de 63,27%; pimentão verde (kg), com alta de 22,60%; repolho (kg), com alta de 22,10%; chuchu (kg), com alta de 7,99%; batata doce rosa (kg), com alta de 7,54%; pepino (kg), com alta de 5,72%; abóbora (kg), com alta de 5,38%, entre outros.

No mesmo período analisado, de janeiro a junho de 2020, poucos produtos apresentaram reduções de preços, como a batata doce branca (kg), com recuo de 4,36%; seguida do cheiro verde (maço), com queda de 3,11%; cariru (maço), com queda de 2,78%; entre outros.

Especificamente no mês passado, junho, os reajustes de preços mais significativos foram nos seguintes produtos: batata (kg), com alta de 20,31%; seguida da cebola (kg), com alta de 19,07%; pepino (kg), com alta de 7,01%; cariru (maço) com alta de 6,06%; chuchu (kg), com alta de 4,64%; feijão verde (maço), com alta de 3,23%; batata doce branca (kg), com alta de 2,70% e macaxeira (kg), com alta de 1,60%.

Também no mês de passado, alguns produtos hortis tiveram recuo de preços, com destaque para a cenoura (kg), com queda de 10,78%; seguida da batata doce rosa (kg), com queda de 8,85%.

Por G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *