Pessoas envolvidas no acidente de um ônibus de turismo no Estado do Paraná, que deixou 19 paraenses mortos, foram alvo de uma operação da Polícia Civil nesta terça-feira (25) no Pará e em Santa Catarina.

A ação ocorreu em apoio a Polícia Civil do Paraná, simultaneamente nas cidades de Belém e Ananindeua (PA), e em Florianópolis e São José (SC). Ao todo, 15 mandados de busca e apreensão foram cumpridos, sendo quatro no Pará, incluindo a residência do motorista do veículo.

O acidente aconteceu no dia 25 de janeiro de 2021, na BR-376, em Guaratuba, litoral do Estado do Paraná. O veículo transportava 54 pessoas quando colidiu em uma mureta de contenção, tombou e caiu na ponte do Rio da Santa. Dezenove passageiros morreram e os outros ficaram feridos. A viagem estava sendo feita entre os estados do Pará e Santa Catarina. A maioria dos passageiros buscava oportunidades de emprego no sul do país.

O objetivo da operação é investigar as causas do acidente. Um dos alvos da diligência foi o motorista do ônibus, que estava em sua residência, em Ananindeua, região metropolitana de Belém. No local, foram apreendidos celulares, documentos e bilhetes de viagens. Todo o material será periciado pelos agentes da Polícia Civil. Espontaneamente, o homem foi até a Delegacia-Geral de Polícia, em Belém, onde será ouvido.

Investigações

O laudo pericial elaborado pela Polícia Científica do Paraná apontou que o motorista do veículo estava dirigindo em alta velocidade e que o freio estava funcionando parcialmente no momento do acidente. Além disso, a falta de manutenção adequada do veículo foi uma das causas determinantes para o tombamento.

De acordo com as investigações, as informações constantes na licença de viagem, feita pela empresa responsável pelo transporte e emitida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), não correspondem à realidade.

Com base nos fatos, a PCPR constatou que não se tratou de uma viagem sob a modalidade de fretamento turístico ou fretamento eventual, e sim de transporte clandestino de passageiros.

Por G1/PA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *