Foto: Igor Mota / O Liberal

A professora Eliene Fontes, mãe da influenciadora digital e estudante de medicina veterinária Yasmin Cavaleiro de Macêdo, de 21 anos, reafirmou em depoimento à Divisão de Homicídios, que a filha não ingeria bebida alcoólica. “Nunca bebeu, em nenhum tipo de ocasião. Todos os amigos íntimos dela sabem disso. Era uma pessoa que não bebia. Os primos e amigos a chamavam para ser motorista quando bebiam. A Yasmin nunca bebeu, nunca fumou, nunca usou drogas. Ela era uma pessoa desportista. Nunca fez nada dessas coisas”, garantiu a mãe.

O depoimento foi dado na tarde de quarta-feira (16), em Belém. Eliene Fontes é professora na escola Ezequiel Alves dos Ramos, em Tailândia/PA. Ela conta que uma amiga de Yasmin, a bloqueou em um aplicativo de mensagens instantâneas após receber a notícia do desaparecimento.

O ato e a frieza da amiga d​a filha chamou a atenção da educadora. “Ela me ligou quase uma hora da manhã, muito tranquila, muito calma. E o que me chama atenção também é que​,​ quando nós começamos a procurar por informações, ela não me atendia, não respondia mais”, lamentou.

“Ela diz que não, mas ela me bloqueou. Minhas mensagens não chegaram nela. Ela disse que não tinha área. Mas uma hora a mensagem chegou. Então, por que ela nunca me respondeu”, questionou. Ainda segundo Eliane, agora, com a repercussão do caso, ela foi desbloqueada.

Na quarta-feira, a mãe de Yasmin voltou a fazer contato com a amiga de sua filha, mas continuou sem retorno. “Hoje já mandei mensagem. Coloquei algumas situações que eu fiquei sabendo, perguntei que tipo de amiga ela era e disse que ia ter justiça. Ela visualizou e ficou calada. Não me respondeu”, afirmou Eliene.

O CASO

Uma história cercada de mistérios rodeia a morte da influenciadora digital e estudante de medicina veterinária, Yasmin Cavaleiro Macêdo, de 21 anos. Encontrada morta às 12h40 da última segunda-feira (13), em Icoaraci, a jovem teria se afogado no dia anterior, após um passeio de lancha pelo furo do Rio Maguari, em Belém, na noite de domingo (12).

Segundo o Corpo de Bombeiros do Pará e a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, Yasmin foi encontrada por mergulhadores do 1º Grupamento Marítimo Fluvial (1º GMAF), a aproximadamente 11 metros de profundidade, próximo do local indicado pelas testemunhas.

Com informações O Liberal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.