Madeira apreendida em Tailândia durante operação da PF e do Ibama (Foto: Glauco Araújo/G1)
Madeira apreendida em Tailândia durante operação da PF e do Ibama (Foto: Glauco Araújo/G1)
Madeira apreendida em Tailândia durante operação da PF e do Ibama (Foto: Glauco Araújo/G1)

Policiais federais e fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) fecharam três madeireiras e apreenderam toras de madeira escondidas sob serragem e no meio da vegetação em Tailândia (PA), na quarta-feira (12). A ação faz parte da Operação Arco de Fogo, que começou em fevereiro na região.

Segundo Bruno Versiani dos Anjos, diretor do Ibama, já foram apreendidos o equivalente a mais de 70 estádios do Maracanã em madeira irregular. “Só nesta ação, foi descoberta uma área de 1,6 mil hectares de área devastada. Estamos tendo dificuldades para fazer apreensões, pois os madeireiros mudaram a estratégia e agora escondem a madeira no meio da vegetação ou enterrada em áreas particulares.”

Tailândia/Belém
Tailândia/Belém

Para o delegado Raimundo Freitas, coordenador da Polícia Federal (PF), já foram descobertos 12,5 mil m³ de madeira durante toda a Operação Arco de Fogo. “Isso equivale a cerca de 6,5 mil m³ em toras de madeira.”

A operação é apoiada por 200 homens da PF e outros 150 da Força Nacional de Segurança, depois de uma série de manifestações de madeireiros e funcionários de serrarias contra os prejuízos provocados pelas ações na região.

Carvoarias

“A grande questão não é o efeito econômico que as apreensões provocam na comunidade de Tailândia. A outra ponta desta história está no pólo siderúrgico de Marabá (PA), que usa carvão feito através da queima de madeira derrubada irregularmente”, disse dos Anjos.

Ela afirmou ainda que boa parte do que é derrubado no estado é direcionado para a produção de carvão. “Mais de 40% do desmatamento no Pará é destinado às carvoarias, que acabam por abastecer as siderúrgicas. Em 2007 conseguimos aplicar multas altas para estas empresas, mas o problema agora é que elas estão conseguindo ‘esquentar’ a documentação do carvão usado pela indústria siderúrgica. Vamos voltar o foco nesta questão em breve”, afirmou dos Anjos.

Toda a madeira apreendida em Tailândia está sendo transportada por caminhões até uma balsa. O material segue viagem pelo Rio Moju até Belém. “Por enquanto, tudo vai ficando em um depósito”, disse o delegado da PF. “Destruímos 116 fornos de carvoaria nesta quarta-feira. Durante toda a ação na região, foram inutilizados mais de 800 fornos. A estimativa é de que tenha mais de 2 mil fornos irregulares na região”, disse dos Anjos.

 

Via G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *