Fachada da prefeitura de Tailândia durante os meses de governo de Valdinei Palhares
Fachada da prefeitura de Tailândia durante os meses de governo de Valdinei Palhares
Fachada da prefeitura de Tailândia durante os meses de governo de Valdinei Palhares

A Justiça Federal bloqueou os bens do ex-prefeito de Tailândia, nordeste do Pará, Valdinei Afonso Palhares, do ex-secretário de Saúde do município, Egnaldo Santos Carvalho, e de dois administradores da empresa KM Distribuidora de Medicamentos. O grupo é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter desviado R$ 715 mil em recursos federais destinados à compra de medicamentos.

A decisão, do juiz federal Heitor Moura Gomes, que atua em Tucuruí, foi comunicada ao MPF na última quinta-feira (23), e determina que a indisponibilidade de bens tenha abrangência equivalente ao total de recursos desviados.

Segundo informações encaminhadas à Justiça pelo procurador da República Luiz Eduardo de Souza Smaniotto, entre agosto de dezembro de 2012 a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) repassou R$ 760 mil à prefeitura de Tailândia para aplicação em assistência básica farmacêutica e outras ações e serviços de atenção básica à saúde.

No entanto, auditoria do Sistema Único de Saúde (SUS) constatou que a KM Distribuidora de Medicamentos, gerenciada por Fábio de Oliveira Santos e Kassius Ranieri Grego Bento, recebeu R$ 715 mil da prefeitura sem que houvesse registro da participação da empresa em processo de licitação.

Também não foram apresentados comprovantes das despesas realizadas pela KM Distribuidora ou registros de medicamentos fornecidos ao município pela empresa.

(DOL com informações do MPF)

Comentários
  1. TAILÂNDIA é um absurdo:
    O município está entregue às baratas, não existe drenagem (rede de esgoto) onde basta qualquer chuvisco para encher todos os logradouros…

    1. Realmente Paulo Câmara, TAILÂNDIA não está bem com relação a saneamento básico. Mas dizer que está entregue às baratas… Me responda, quais municípios no Pará possuem rede de esgoto, saneamento básico? Estou perguntando, não tentando justificar. Quero afirmar com isso, que as pessoas, como você querem cobrar e exigir, mas em sua maioria não sabem de quem é a obrigação em fazer esse saneamento, e o pior, nem ao menos participam da elaboração do Plano Plurianual que define as metas e prioridades para o município durante 4 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *