O material genético das vacinas Pfizer-BioNTech ou Moderna contra o coronavírus não pode ser transferido através do leite materno, descobriu um novo estudo. É provável que o mesmo ocorra com as demais vacinas. As informações foram divulgadas pelo Daily Mail.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Francisco testaram amostras de leite materno de sete mães que amamentam dois dias após as vacinas e não encontraram presença de RNA mensageiro da vacina (mRNA).

Muitas mães adiaram a vacinação contra o covid-19, preocupadas com o impacto das vacinas nos filhos.

Mas as equipes dizem que as descobertas deste estudo sugerem que as mães podem ser vacinadas com segurança.

Mesmo que o mRNA não possa ser transferido através do leite materno, outros estudos mostraram que os anticorpos covid-19 sim, o que significa que as vacinas conferem alguma imunidade aos recém-nascidos cujas mães são imunizadas.

Vulneráveis

Essas mulheres enfrentaram maiores taxas de hospitalização e cuidados intensivos devido à covid, em comparação com outras mulheres na mesma faixa etária, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Mesmo assim, as mulheres grávidas foram vacinadas em baixas taxas. No início de maio, apenas 16 por cento das mulheres grávidas haviam recebido suas vacinas, estima um estudo do CDC.

Muitos evitaram ou atrasaram a vacinação devido aos dados limitados sobre a segurança da vacina covid para mulheres grávidas e lactantes.

Essas mulheres não foram incluídas nos ensaios clínicos das vacinas, para evitar riscos à saúde.

Mas muitos cientistas que examinaram como essas vacinas funcionavam levantaram a hipótese de que representariam pouco risco para mulheres grávidas e amamentando.

Como resultado, quando a Food and Drug Administration (FDA) aprovou as vacinas Pfizer e Moderna para uso nos EUA, a agência permitiu que mulheres grávidas e amamentando fossem vacinadas.

Por O Liberal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *