Reprodução/ O Liberal/ Logo após o crime, o filho de dona Esmenia fugiu. Possivelmente, o homem teve um surto. (Redes Sociais / Sem autoria identificada)

Moradores da passagem Santa Helena, no bairro da Terra Firme, estavam consternados com a morte violenta de uma das mais antigas moradoras da rua, a senhora Esmenia Monteiro Gomes Ferreira, de 85 anos, mulher morta com uma facada desferida pelo próprio filho, Glawber Gomes Ferreira, de 48 anos. A mulher foi esfaqueada no abdômen pelo homem, que fugiu logo após o crime e, até o fim da manhã desta sexta-feira, 29, ainda era procurado pelas autoridades.

Segundo vizinhos da casa onde aconteceu a tragédia, entre a rua Dois de Junho e a passagem São Pedro, o matricídio foi cometido antes das 8h. Glawber é bem conhecido na região, pois teria recebido o diagnóstico de esquizofrenia e passa o dia caminhando pelas ruas do bairro. Os vizinhos também contam que, entre essas andanças, ele aparecia na casa onde morava com a mãe para exigir dinheiro, e nessas abordagens, era comum que houvesse violência do homem contra a idosa.

Dona Esmenia, vítima
Dona Esmenia, vítima (Redes sociais/reprodução)

Na manhã de sexta, ele amanheceu batendo na porta da mãe, e dona Esmenia foi atender. Não se sabe ao certo o que houve, mas pouco depois, vizinhos viram o homem correndo em direção a passagem São Pedro. Os gritos que vinham de dentro da casa anunciavam a tragédia: sentada em uma cadeira junto à mesa, dona Esmenia agonizava, parecendo não entender o que havia acontecido, com a faca ainda cravada em sua carne. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) foi acionado, mas não havia mais formas de salvar a vida da idosa, e o que restou foi constatar que ela havia perdido a vida pelas mãos de seu único filho homem.

O 20º Batalhão de Polícia Militar (BPM) também esteve no local e isolou a área para os trabalhos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, que analisou a cena do crime e removeu o corpo da idosa. Além de Glawber, vizinhos contaram que dona Esmenia era mãe de outras três mulheres, e era muito querida na rua. Familiares estavam no local muito abalados, e não deram declarações à imprensa. A Polícia Militar fez buscas pela região, no encalço do matricida, que não havia sido localizado horas depois do homicídio.

Por: O Liberal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *