Na foto, a carteira de trabalho. A taxa de desocupação não fica abaixo de 10% desde o trimestre encerrado em janeiro de 2016 … Leia mais no texto original: (https://www.poder360.com.br/economia/taxa-de-desemprego-cai-para-98-menor-em-6-anos/) © 2022 Todos os direitos são reservados ao Poder360, conforme a Lei nº 9.610/98. A publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia são proibidas./ Reprodução/ poder360

A taxa de desemprego caiu para 9,8% no trimestre de março, abril e maio deste ano. Esse é o menor percentual desde o trimestre encerrado em janeiro de 2016.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou os dados nesta 5ª feira (30.jun.2022). Eis a íntegra da apresentação (7 MB). O resultado foi melhor do que as projeções do mercado, que indicavam percentual de 9,9% a 10,3% no trimestre.

A taxa de desocupação caiu 1,4 ponto percentual em relação ao trimestre anterior (de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022). Caiu também 4,9 pontos percentuais frente ao mesmo período do ano passado. Hoje, o número de desempregados chega a 10,6 milhões. Recuou 11,5% em relação ao trimestre anterior (ou 1,4 milhõa de pessoas a menos). Contra o trimestre encerrado em maio de 2021, a queda foi de 30,2%, menos 4,6 milhões de pessoas desocupadas.

SUBUTILIZAÇÃO

É considerado subutilizado quem está desempregado, trabalha menos do que poderia ou não procurou emprego mesmo estando disponível para trabalhar.

A taxa de subutilização caiu para 21,8% no trimestre encerrado em maio deste ano. A queda foi de 1,7 ponto percentual em relação ao trimestre de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022. Em 1 ano, o recuo foi de 7,4 pontos percentuais.

O número de pessoas subutilizadas chegou a 25,4 milhões no último resultado. Diminuiu 6,8% (menos 1,8 milhão) frente ao trimestre anterior –de dezembro a fevereiro. Também caiu em comparação com o trimestre encerrado em maio de 2021 (-23,8%, ou menos 7,9 milhões de pessoas).

Dentro do grupo de subutilizados há o índice de desalentados, que são aqueles que não procuraram empregos porque não acreditam que vão conseguir.

A população desalentada caiu 8% no trimestre encerrado em maio de 2022 contra o anterior (dezembro, janeiro e fevereiro). Agora, soma 4,3 milhões de pessoas. Também diminuiu 22,6% em relação ao período de março a maio do ano passado, o que representa 1,3 milhão de pessoas a menos.

MERCADO DE TRABALHO

A população ocupada chegou a 97,5 milhões de pessoas no trimestre encerrado em maio, o recorde na série histórica, iniciada em 2012. Subiu 2,4% em comparação com o trimestre anterior (mais 2,3 milhões de pessoas) e de 10,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

O nível de ocupação foi estimado em 56,4% (alta de 1,2 p.p. frente ao trimestre anterior).

O número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada foi de 35,6 milhões de pessoas, subindo 2,8%, ou 981 mil pessoas, frente ao trimestre encerrado em fevereiro e 12,1 (alta de 3,8 milhões de pessoas) na comparação anual.

Já o trabalho sem carteira assinada foi o maior da série histórica, com 12,8 milhões de pessoas. O contingente teve alta de 4,3% em comparação com o trimestre anterior. Subiu e 23,6% em comparação com o trimestre de março a maio de 2021.

A taxa de informalidade do país foi de 40,1% da população ocupada, ou 39,1 milhões de trabalhadores. No trimestre anterior, a taxa havia sido de 40,2%. No mesmo período do ano passado, era 39,5%.

RENDA MÉDIA

O rendimento médio real do brasileiro atingiu R$ 2.613 no trimestre encerrado em maio. Ficou estável em comparação com o trimestre anterior. Caiu 7,2% em comparação com o mesmo período do ano passado (R$ 2.790). A massa de rendimento real habitual chegou a 249,8 bilhões, uma alta de 3,2% contra o trimestre anterior e de 3% na comparação anual.

Por: Poder360

Comentário
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.