Uma comissão do estado de Nevada (EUA) aprovou na terça-feira, 10, uma indenização de U$ 2,85 milhões (cerca de R$ R$ 15 milhões) para uma mulher que passou mais de três décadas na prisão, antes que as evidências de DNA a libertassem de um assassinato em Reno, em 1976.

O grupo, composto por governador, procurador-geral e secretário de estado, aprovou o pagamento a Cathy Woods por unanimidade. O valor foi determinado em tribunal estadual no mês passado com o endosso total da procuradoria-geral.

A justiça “nem sempre se manifesta na convicção, às vezes se manifesta em uma exoneração”, disse o procurador-geral Aaron Ford, que atua no conselho com o governador Steve Sisolak e a secretária de Estado Barbara Cegavske. “O estado estava errado neste caso e estou feliz em ver que podemos oferecer algum nível de recompensa à Sra. Woods por uma condenação injusta e prisão.”

Acordo vem depois de Woods a processar o Estado alegando que ela foi coagida a fazer uma confissão forjada enquanto estava sob cuidados psiquiátricos na Louisiana.

Anos 80

Woods foi condenado duas vezes – em 1980 e novamente em 1985 depois que a primeira condenação foi anulada – com base em declarações que ela fez enquanto estava em uma instituição mental da Louisiana.

Em 2014, o Banco de Dados Nacional de DNA notificou o condado de Washoe sobre uma descoberta de DNA em um cigarro encontrado perto da cena do crime de 1976 que correspondia a outra pessoa cumprindo pena por crimes violentos em Oregon. As acusações contra Woods foram rejeitadas e ela foi libertada.

Woods, 70, que agora mora no estado de Washington, recebeu o acordo estadual de um juiz do tribunal distrital em outubro sob uma nova lei promulgada em 2019 para indenizar pessoas condenadas injustamente e inocentadas. Ela também recebeu um Certificado de Inocência.

Las Vegas Review-Jornal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *