Chegou o clima mais quente do ano, e aguardado por muitos que aproveitam o verão para curtir as férias e as parais. Diferente de verões anteriores, esse ano é preciso redobrar os cuidados com a saúde, isso se deve a chegada da pandemia do novo coronavírus que exige uma atenção mais rigorosa com a alimentação.

A alimentação está entre os cuidados essenciais com a saúde no verão em tempos de pandemia. De acordo com a nutricionista Wisliene Pinheiro, não existem evidências científicas sérias sobre superalimentos, supernutrientes, dietas específicas, shots fortalecedores, sucos ou sopas capazes de prevenir, ou combater o novo coronavírus de forma mágica. Para a especialista o que se precisa é que a população adote hábitos alimentares saudáveis.

“O que precisamos é ter uma alimentação saudável rica em nutrientes necessários ao bom funcionamento do corpo, com atenção especial aos nutrientes que ajudam aumentar a imunidade, e que estão disponíveis nas nossas verduras, legumes, frutas naturais e regionais.” Garante Wisliene Pinheiro.

Maxixe, cariru, jerimum, cenoura, feijão-verde, manga, banana, laranja, mamão, jambo, biribá, tucumã, pupunha, entre tantos outros podem ajudar para uma boa alimentação, principalmente neste período. A nutricionista destaca ainda que a vitamina D não pode faltar. Ela é fornecida de graça e está presente na natureza, toda vez que tomamos um banho de sol nas primeiras horas da manhã ou no final da tarde, por 20 minutos, a nutricionista garante que auxilia na saúde dos ossos, no sistema imunológico dentre outros benefícios.

Outra dica da especialista
Manter o consumo de água diária tomando pelo menos 3 litros de água, para um bom funcionamento dos rins. A vitamina C é essencial para o organismo e tem efeito antioxidante comprovado, auxiliando na imunidade. No entanto, quando ingerida em grandes quantidades, o excesso é eliminado pela urina, pois, essa vitamina é hidrossolúvel. Além disso, a ingestão excessiva pode aumentar o risco de cálculo urinário (“pedra nos rins”).

“É importante lembrar que é possível alcançar a necessidade desta vitamina por meio da alimentação. Suas principais fontes são frutas cítricas, como o limão, a laranja, a acerola, etc., e vegetais crus, como pimentão, por exemplo. Portanto, se você tem uma alimentação saudável, que tem como base, alimentos in natura e minimamente processados, facilmente pode desfrutar dos benefícios da vitamina C”. Frisou a nutricionista.

Rede Pará: Posso tomar polivitamínicos para melhorar minha imunidade?

Nutricionista: A suplementação de vitaminas e minerais deve ser orientada e supervisionada por um nutricionista, que fará uma avaliação prévia da alimentação e seu estado nutricional. O excesso, tanto quanto a deficiência de nutrientes, podem prejudicar a saúde, e também interferir na imunidade. Mais importante do que comprar suplementos, é procurar manter uma alimentação saudável, variada e colorida, preferindo sempre os alimentos in natura no lugar dos alimentos ultraprocessados.

No verão a orientação dos especialistas é para que as pessoas reforcem o cuidado com a pele e recomendam o uso de protetor solar para não prejudicar a saúde e prevenir contra o câncer de pele, aos banhistas a dica é com proteção e usar óculos solar, hidratação nunca é demais, consumir bastante água neste período de verão, evitar a exposição ao sol entre 11 às 14 horas. Manter a atividade física também é importante para o fortalecimento do sistema imunológico, ajuda a diminuir os riscos de doenças, melhora a circulação sanguínea e auxilia na perda de peso, lembrando que você pode fazer atividade ficava sem sair de casa e ainda está protegendo da Covid-19.

Tomar bebida alcoólica pode aumentar o risco de pegar o coronavírus?

Nutricionista: O consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode resultar em prejuízos diversos ao organismo, afetando inclusive o funcionamento das células como leucócitos, monócitos e outras muito importantes no sistema imunológico.

No caso da infecção pelo novo coronavírus é preciso considerar que o alto grau de estresse geral também prejudica a resposta imunológica. 

Rede Pará: Qualquer quantidade de álcool pode expor mais a pessoa ao coronavírus?

Nutricionista: Apesar de não se recomendar consumo de álcool, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece como aceitável para pessoas saudáveis, o consumo diário de uma dose para mulheres e duas doses para homens.

Essa dose corresponde a uma lata de cerveja ou uma taça de vinho, ou uma dose de bebida destilada como uísque, ou cachaça.

O excesso o etanol compromete o sistema nervoso, podendo causar alterações psíquicas ou comprometer movimentos, reflexos e coordenação, eleva os batimentos cardíacos, aumenta a pressão arterial, causa lesões no sistema digestivo e compromete o pâncreas e o fígado, podendo evoluir para cirrose ou câncer.

Então, você que é consumidor o melhor e evitar o consumo de bebidas alcoólicas, se caso consumir, importante ingerir bastante água para hidratar no dia seguinte.

Por Rede Pará
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *