Roziane Almeida Barbosa, professora de Tailândia, nordeste paraense, foi destaque em uma matéria publicada no dia 30 de abril pela revista  Nova Escola.  Na matéria intitulada “Um ano de ensino remoto: o desafio dos professores que ainda não retornaram ao presencial”, Roziane falou sobre o acúmulo de preocupações, dificuldades e questões a serem resolvidas da rotina profissional.

A professora também falou sobre  complexidade do trabalho com alunos que possuem deficiência. Ela explica que o trabalho com esses alunos é específico e personalizado. “O desenvolvimento contínuo e a inclusão de cada um desses estudantes exige, além de metodologias ativas, o próprio meio físico presencial. Estamos habituados a observar as evoluções e dificuldades deles durante esse contato presencial, o que torna a experiência do ensino remoto um desafio gigantesco”.

Roziane explica que sua estratégia para inserir as crianças nas aulas remotas e melhorar o seu desenvolvimento cognitivo é  confeccionar materiais que eles pudessem levar para casa, para auxiliar em questões ligadas à leitura, à escrita, à coordenação motora e à matemática, como caixa da leitura, caixa numérica, caderno-lousa com material plastificado, alfabeto móvel e ficha numérica.

O auxílio dos pais para realização das atividades é essencial para o desenvolvimento do aluno, afirma  a educadora. A professora conta que os pais tem sido de grande ajuda nesse período para auxiliar as crianças.

No entanto, ela ressalta as dificuldades da sua rotina de mais de um ano atuando remotamente. “Meu organismo foi afetado, tive insônia, ansiedade, exaustão, e senti muita tristeza. Fora que esse volume de trabalho em casa, sem seguir um cronograma específico de horário, acaba se misturando à minha vida pessoal”, diz.

Apesar de estar lidando com questões tão complexas em seu dia a dia profissional, Roziane busca também enxergar as lições que tira desse período, e o cenário que vislumbra para a Educação. “Mesmo com o retorno presencial, muito do que aprendemos durante o ensino remoto será mantido.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *