Passavam das 23h30 de domingo, 10, quando o corte no fornecimento de energia elétrica deixou, ao menos, oito cidades do Pará as escuras. O motivo segundo a Rede Celpa, foi um incêndio de grande proporção na subestação de Vila do Conde, Barcarena.

Enquanto outras cidades tiveram o fornecimento de energia restabelecido, Moju e Tailândia continuaram nas escuras durante toda madrugada de domingo. Barcarena teve o serviço normalizado na manhã de segunda-feira, 11.  Tailândia e Moju, continuaram sem energia elétrica durante toda segunda e terça-feira.

Diante dos transtornos, a Celpa só conseguiu encaminhar, na madrugada de terça-feira, 12, ao município de Barcarena, uma subestação móvel para normalizar o fornecimento de energia nas duas cidades. A estrutura de 78 toneladas, de mais de 7 milhões de reais, saiu da cidade de Benevides até Vila do Conde.

Após 41 horas, a luz voltou a piscar em Tailândia, por volta das 16h37 de terça-feira, mas o serviço só normalizou depois das 20h, quando finalmente a lâmpada continuou ligada e, todos finalmente puderam respirar aliviados e poder tomar uma ducha no chuveiro de casa e ter uma noite de sono.

Transtornos

A falta de energia elétrica causou transtorno para uma população de mais de 100 mil habitantes, acostumada a estar conectada, ligada e com energia na tomada. As duas noites as escuras o tailandense teve que se virar para tomar banho, conseguir dormir e vencer os carapanãs e o calor.

Sem água encanada nas torneiras, o jeito foi apelar para o vizinho, com poço no fundo do quintal ou casas de familiares e até mesmo hotel, os que contavam com geradores elétricos. E hotel não deu para quem quis, nas primeiras duas noites da semana.

Escolas

As escolas da rede municipal tiveram que dispensar os alunos nos dois primeiros dias da semana.  Sem água e sem ventilação, os estudantes eram dispensados pouco a pouco, tanto da zona urbana, como os da zona rural.

Os alunos da escola São Francisco de Assis, não tiveram a mesma sorte, na semana de provas, eles tiveram que suportar o calor nas salas.

Justiça

A falta de energia elétrica deixou os serviços no Fórum de Tailândia, completamente parados. Audiências com presos tiveram que ser remarcadas, o atendimento foi suspenso. O mesmo aconteceu na Cartório Eleitoral e no Ministério Público Estadual.

Na delegacia de Tailândia, serviços como registros de ocorrências foram cancelados.

Saúde

O Hospital Geral de Tailândia funcionou com ajuda de um gerador elétrico, mas os postos de saúde do município pouco tiveram atendimento, em alguns não houve nenhum tipo de atendimento.

Comércio

O comércio teve prejuízos incontáveis. Dos grandes aos pequenos, todo mundo saiu perdendo nesta falta de energia. Quem não tinha gerador elétrico, viu os congelados se estragarem, mas até mesmo quem não era do ramo alimentício, saiu perdendo.

Lojas de confecções, armarinhos, lojas de móveis e eletrodoméstico, clínicas médicas, vendedores autônomos e de lanches, ninguém escapou.

O comércio que se preparava para o dia dos namorados, celebrado no dia 12 de junho, viu suas expectativas de vendas sumirem, assim como a eletricidade.

Normalidade

Os 10 dias de paralisação dos caminhoneiros autônomos não causou tantos transtornos e prejuízos financeiros o tailandense, como esses dois dias sem energia elétrica.  Nesta quarta-feira, 13, o tailandense tenta voltar a rotina, mas de olho na luz elétrica.

 

 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Cleyton Rogério
Carregar mais em Tailândia-Pa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *