Wellington Gonçalves Felicidade, foi preso pela Polícia Federal, na manhã desta quinta-feira (29), em Tailândia, nordeste do Pará, após sair junto com advogados, de audiência no Ministério Público Estadual, onde estava sendo ouvido pela promotoria. 

A PF cumpriu um mandado de prisão preventiva da justiça federal, expedido dia 24 de maio deste ano e, não tem relação com a investigação de Tailândia. A prisão também não tem relação com as atividades de Wellington na prefeitura de Tailândia, onde atua como pregoeiro, responsável por licitações.

Wellington responderia por 13 ações criminais em outros municípios. Dessas, 7 na justiça federal e, 6 na justiça estadual. Todas elas por suspeita de crimes e fraudes em licitações.

Durante as investigações da Promotoria de Justiça de Tailândia, foi descoberto que o juiz federal Rubens Rollo D´Oliveira, da 3ª Vara Criminal da 1ª Região, já tinha expedido mandado de prisão preventiva contra Wellington Gonçalves, em 24 de maio de 2019. A partir de então, o MP, informou a PF que se deslocou até a cidade e cumpriu a ordem de prisão nesta quinta-feira, por volta das 10h30.

(foto: reprodução CNJ)

O pregoeiro foi conduzindo preso até a superintendência da Polícia Federal em Belém, onde deve ser submetido a exame de corpo de delito.

As duas investigações locais do Ministério Público Estadual sobre as suspeitas tramitam em segredo de justiça.

Manifestação da Prefeitura de Tailândia

A prefeitura de Tailândia afirmou que não se pronunciará sobre o caso, informou apenas que a prisão não tem relação com as atividades desenvolvidas por Wellington Felicidade, no órgão municipal.

ATUALIZAÇÃO: 29/08/2019, 19h21

Justiça Federal revoga prisão de pregoeiro, preso nesta quinta-feira em Tailândia

A Justiça Federal revogou a prisão de Wellington Gonçalves Felicidade, preso na manhã desta quinta-feira (29), pela Polícia Federal em Tailândia, nordeste do Pará.

A prisão foi revogada no fim da tarde desta quinta-feira, após Wellington Felicidade ser encaminhado à Superintendência da Polícia Federal, em Belém, onde prestou depoimento.

Wellington Gonçalves Felicidade é réu em uma ação criminal, no município de Anajás, no Marajó, onde foi denunciado por supostas práticas ilegais na condução de licitações no município paraense.

Por não comparecer durante a instrução criminal, juiz federal Rubens Rollo D´Oliveira, da 3ª Vara Criminal da 1ª Região, tinha decretado a prisão. O mesmo juiz que revogou a decisão esta tarde.

O pregoeiro, pessoa responsável por licitações, presta serviços para diversos municípios do Pará, inclusive Tailândia. Mas não existe relação entre a prisão dele, agora revogada, e os serviços prestados em Tailândia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *