O empresário Rosivaldo de Jesus Pinheiro da Cruz, acusado de ser o mandante da morte da ex-mulher, Jaiane Nogueira Molinari, na cidade de Cametá, na Região do Baixo Tocantins, vai continuar na cadeia por decisão unânime dos desembargadores da seção de direito penal do Tribunal de Justiça do Pará.

LEIA TAMBÉM
Acusado de matar Jaiane Molinari é preso pela PM em Abaetetuba
Empresária Jaiane Molinari é encontrada morta dentro de loja, em Cametá

O crime aconteceu em março de 2020, mas ele só foi preso em agosto, quase 5 meses após o crime. Na última segunda-feira (5), os desembargadores negaram pedido de trancamento de ação penal, requerido por meio de habeas-corpus, sob a alegação de falta de justa causa e de nulidade de prova.

Os desembargadores entenderam não haver no processo elementos suficientes que justifiquem o trancamento da ação penal, ressaltando ainda que não cabe dilação probatória (prazo para juntada de provas) em feitos como habeas-corpus. Nesse sentido, a persecução penal é necessária para a devida instrução processual.

O executor do crime, segundo o processo, foi Josias Machado dos Santos, que declarou em interrogatório tê-lo cometido a mando de Rosivaldo Cruz.

Jaiane Molinare foi encontrada morta, com sinais de estrangulamento, no banheiro de sua própria loja de confecções, no centro da cidade de Cametá. Uma funcionária encontrou o corpo e acionou a polícia.

De acordo com os testemunhos, a motivação do crime decorreu do fato da vítima não querer retomar o casamento, ainda que o mandante do assassinato tenha insistido em várias ocasiões, e também pelo fato de a vítima ter dado entrada no pedido de divórcio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *