Hospital de Tailândia já atendeu 416 vítimas de acidente de trânsito em 2019

Referência no atendimento de urgência e emergência na mesorregião do nordeste paraense, o Hospital Geral de Tailândia (HGT), aderiu ao movimento nacional do “Maio Amarelo” para alertar a sociedade sobre a importância da redução do número de acidentes de trânsito, por meio da mudança de comportamento para melhorar a mobilidade de pedestres, ciclistas e condutores de todos os tipos de veículos. A campanha tem como tema “No trânsito, o sentido é a vida”.

VEJA TAMBÉM

De acordo com o diretor Técnico do hospital, Joseph Isaac Paredes Torres, o número de vítimas de acidentes de trânsito atendidas no hospital vem reduzindo gradativamente, mas está longe do ideal. Entre 2017 e 2018, houve diminuição de 8% do número de vítimas de trânsito em atendimento no HGT.

Em números, as estatísticas registraram 1.976 atendimentos em 2017:

  • Causados por moto – 1.586
  • Acidentes de bicicleta – 144
  • Acidentes de trânsito – 179
  • Envolvendo carros – 67

Em 2018, foram registrados 1.820 atendimentos:

  • Causados por moto – 1.413
  • Acidentes de bicicleta – 131
  • Acidentes de trânsito – 170
  • Provocados por carro – 106

A torcida é para que este ano, os números das estatísticas reduzam ainda mais. De janeiro a abril deste ano, já foram atendidos 416 vitimas na urgência e emergência, com acidente de motos liderando o ranking, até o momento, com 306 casos, seguido de 48 acidentes de trânsito, 32 de carro e 30 causado por bicicleta.

A agricultora, Doralice Guimarães Lopes, 64, foi mais uma vítima de trânsito que obteve assistência no HGT. Há exatos nove dias ela sofreu um acidente quando a moto em que estava foi atingida pela condutora de um carro de passeio que, inadvertidamente, abriu a porta sem observar que vinha uma moto logo atrás, e também não sinalizou que ia encostar o veículo, jogando a condutora da motocicleta por cima do volante. Já Doralice caiu no asfalto fraturando o joelho de sua perna direita, que vai passar por uma cirurgia.

Internada no HGT, ela relatou os momentos de susto, dor e sofrimento com o acidente que poderia ter si do evitado com mais atenção da motorista do carro. “Vinha de carona na moto da minha filha, e havia um carro de cor preta na frente, a condutora fez uma manobra sem sinalizar e sofremos o acidente. Na hora tentei levantar, mas não consegui. Minha perna estava de lado. Como a queda da minha filha foi feia e gritava muito, tentei levantar, mas não consegui porque ela estava fraturada e sentia muitas dores. Tive medo que viesse outro carro e nos atropelar novamente. Populares nos ajudaram e nos trouxeram para o HGT, onde agradeço o atendimento recebido e tenho fé que vou me operar por aqui mesmo, sem ter necessidade de ir para Belém. Já fiz todos os exames necessários. Estamos apenas aguardando o joelho desinchar mais para fazer a cirurgia”, disse a agricultura que não vê a hora de retornar para sua casa em um sítio localizado em Pindorama, de onde não voltou desde o acidente.

É o atendimento resolutivo oferecido aos usuários do HGT que DR. Joseph médico ressalta na assistência que é realizada 24 horas na Urgência/Emergência, com equipe de três médicos clínicos em sistema rotativo, cirurgião, obstetra, pediatra, anestesista, ortopedista e radiologista.

No HGT, o usuário da urgência e emergência tem atendimento prioritário. Em casos de acidentados, a assistência inicia, com atendimento do médico clínico, se necessário, diante de uma suspeita de fratura, o médico ortopedista é acionado e,  se houver suspeita de trauma abdominal ou torácico, o usuário passa por avaliação de um cirurgião. “Contamos ainda com o suporte de um radiologista em necessidade de ultrassom de emergência”.

Atendendo o perfil do HGT, os casos mais recorrentes na urgência e emergência são pacientes com fraturas, na maioria das vezes, de perna ou braço, o que leva em média a internação de aproximadamente cinco dias. O médico chama atenção ainda que mesmo os casos mais comuns, necessitam de atenção por parte do usuários, como as escoriações superficiais, que devem ter importância no tratamento e exige necessidade de cuidados domiciliares como curativos.

“Muitas pessoas desconhecem que, mesmo essas lesões simples, têm risco de infecção, sim. O que, num primeiro momento, pode parecer uma coisa simples, pode complicar e as vezes levar a internação”, alertou o médico.

Mais prudência no trânsito- Para o diretor Técnico do HGT, todos podem contribuir para mudar essa realidade e reduzir cada vez mais os números  de acidentes de trânsito. “Temos que mudar o nosso comportamento, como por exemplo evitar falar no celular, não dirigir sem capacete, não dirigir sob os efeitos de substâncias tóxicas, respeitar os limites de velocidade. Temos que ter a consciência de que a legislação deve ser respeitada”, sugeriu.

Embora os números de atendimentos de vítimas de acidentes de trânsito no HGT venham reduzindo, lentamente, o diretor Executivo do hospital, o administrador Joaquim Fonseca, ainda alerta sobre os dados estatísticos nacionais ainda mostram que cada dia aumenta os números de vítimas de acidentes de trânsito em função de vários fatores, entre eles, a falta de uso dos equipamentos de segurança, como capacete, é a principal causa presumível de acidente. “E junto soma-se excesso de velocidade, ingestão de bebidas alcoólicas e ultrapassagem indevida”, destacou o gestor. 

Ações de prevenção– O Grupo de Trabalho de Humanização (HGT) com apoio da Comissão Interna de Prevenção de Acidente (CIPA) do HGT, em parceria com o Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), realizarão ações, dias 27 e 28, com palestras nas áreas de atendimento do hospital para colaboradores, usuários e acompanhantes, sobre Educação no Trânsito; e Blitz em pontos estratégicos de Tailândia com o intuito de conscientizar a população sobre de uso dos equipamentos de segurança e respeito às leis de trânsito.

Dados nacionais– De acordo com o Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES), órgão da Escola Nacional de Seguros, de janeiro a junho de 2018, os acidentes de trânsito provocaram 19.398 mil mortes e 20 mil casos de invalidez permanente no país. As principais vítimas são homens de 18 a 65 anos e motociclistas.

Estrutura HGT– Com 51 leitos, hospital dispõe de várias especialidades e apoio diagnóstico com radiologia, ultrassonografia, endoscopia, mamografia, eletrocardiografia, laboratório de análises clínicas e Agência Transfusional dentro do hospital para atendimento ágil da demanda, além de Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), que possui nove leitos, sendo seis adultos e três pediátricos.

Serviço: O Hospital Geral de Tailândia fica na Avenida Florianópolis, s/n, no Bairro Novo. Mais informações pelo fone (91) 3752-3121.

Você pode gostar de ver

Lojas Americanas inauguram unidade em Tailândia na próxima semana

Tailândia – Enquanto funcionários de uma construtora preparam os últimos detalhes na…

PM aumenta efetivo e intensifica presença nas ruas de Tailândia

A Polícia Militar aumentou em cerca de 30 novos policiais o efetivo…

Adolescentes tentam quebrar equipamento em Praça Pública de Tailândia

Uma moradora flagrou através do telefone celular um grupo de adolescente tentando…

Jovem de Tailândia morre após ser baleado em Belém

Gustavo foi atingido na cabeça, ele ainda chegou a ser socorrido para a UPA do bairro.