Cerca de 5.000 pessoas foram atrás de cestas básicas distribuídas pelo prefeito
Cerca de 5.000 pessoas foram atrás de cestas básicas distribuídas pelo prefeito
Cerca de 5.000 pessoas foram atrás de cestas básicas distribuídas pelo prefeito

Antes das 9h em Tailândia, às margens da Rodovia PA-150, milhares de homens, mulheres e crianças formam filas imensas em frente da casa do prefeito Paulo Jasper, 56 anos, popularmente conhecido como “Macarrão”. Alguns enfrentaram mais de 5 quilômetros a pé ou 10 quilômetros de bicicleta para chegar ali e disputar 3.500 cestas básicas distribuídas gratuitamente pela Secretaria de Ação Social do município. Na fila, o discurso é unificado: críticas à Operação Arco de Fogo, que combate a exploração ilegal de madeira na cidade e muitos elogios ao que chamam de “bondade” do prefeito e de sua família.

“Os pais de família que trabalham com madeira e crianças estão morrendo de fome. A gente sempre vem na casa do prefeito, e quando ele pode, ajuda a gente”, disse a doméstica Josefa Cunha, 58 anos.

Alguns enfrentaram mais de 5 km a pé ou 10 km de bicicleta para chegar ali e disputar 3.500 cestas básicas
Alguns enfrentaram mais de 5 km a pé ou 10 km de bicicleta para chegar ali e disputar 3.500 cestas básicas

Quando a distribuição de comida efetivamente começa, começam a sair do estacionamento da casa um microônibus e várias caminhonetes. Na comitiva, o prefeito segue com deputados estaduais e federais que representam a região e foram ao município debater com lideranças locais as ações da operação que combate o desmatamento. Macarrão, após 15 dias longe do município, desce de seu veículo, ergue os braços, acena para os que aguardam a comida, é aplaudido e sai sem falar com a imprensa.

Alguns funcionários de madeireiras permanecem pacientemente na fila. É o caso de Zulmiro Soares, 60 anos, três filhos. O salário médio da categoria é de R$ 600, segundo o sindicato dos trabalhadores . “O serviço aqui está todo parado não tem como sustentar os filhos. Vou arrumar renda da onde?”, questiona Soares. “A empresa pára e nós também. O homem sempre dava comida, até antes de ser prefeito.”

Com uma filha de 6 meses no colo, Socorro Nascimento, 25 anos, ainda consegue carregar sua cesta com a mão que sobra. Ele diz que a Operação Arco de Fogo está provocando desemprego e fome na região. “Eles têm que pegar a madeira, vender, trocar em rancho [comida] e dar para o pessoal desempregado”, defendeu.

Moradores de Tailândia (PA) dizem que estão desempregados desde que a operação Arco de Fogo começou na região
Moradores de Tailândia (PA) dizem que estão desempregados desde que a operação Arco de Fogo começou na região

Silas de Almeida, 43 anos, trabalhava fazia cinco meses no setor madeireiro de Tailândia. Ele disse saber da existência ilegalidade, mas avaliou que o combate à situação exige um período de transição: “A coisa tem quer modificada devagar para ninguém passar necessidade”.

Primeira Dama no comando da operação

Na coordenação da distribuição, ao lado do caminhão, quem manda é a esposa do prefeito, Hígia Frota, titular da Secretaria de Ação Social de Tailândia e dona da residência onde os populares se concentram. Ela confirmou que os alimentos foram adquiridos com recursos da prefeitura e contou que pessoas estão há mais de uma semana batendo na sua porta em função do desemprego. Mas disse ainda confiar que as autoridades estaduais e federais apontem uma solução para a crise instalada no setor madeireiro local: “Temos que ter emprego para esse povo. É injusto é um pai de família ficar desempregado. O município não pode ficar a vida toda desse jeito”.

Algumas horas depois, já no início da tarde, o prefeito Macarrão aceitou conceder entrevista. Questionado sobre o porquê da distribuição de alimentos comprados com dinheiro público na porta de sua casa, alegou ser uma tradição local: “É quase um folclore, toda a população me procura todo dia. Eles não tem a quem recorrer, e por isso pedem ao prefeito”. O prefeito ainda comentou o risco de pessoas se juntarem à beira de uma rodovia movimentada em busca de comida: “Acho tudo perigoso, precisamos é resolver o problema da comunidade”.

Antes da entrevista, em pronunciamento a lideranças locais, o prefeito disse estar ciente de que não basta distribuir comida ao povo. “A cesta básica no Nordeste é um bote salva-vida, mas na nossa região é uma âncora no pescoço de um funcionário. É a retirada da dignidade, pois ele tem compromisso no comércio e em todos os lugares”, comparou.

Nem toda população avalia positivamente o gesto e as intenções do prefeito. A agricultora Antônia Pereira, 46 anos, comentou que, como os alimentos foram comprados pela ação social do município, a entrega tinha de ser na prefeitura. “Isso é movimento político e quem faz tem que ser punido”, defendeu. “Nossa sociedade não pode viver do assistencialismo. Temos que viver produzindo e trabalhando”, reforçou outro agricultor, Valdinei Palhares.

Na secretaria do Fórum do município, a informação é de que representantes do Ministério Público vão averiguar possíveis irregularidades na ação da manhã de hoje.

 

UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *