foto: reprodução

Desde a declaração de pandemia do novo coronavírus pela Organização Mundial da Saúde, em 11 de março, as entidades empresariais de Tailândia, nordeste do Pará, têm levado o assunto muito à sério e, respeitado as medidas determinadas pelas autoridades de saúde e governos, e vêm atuado de forma consistente, tanto com ações voltadas para a sociedade como um todo, quanto à classe empresarial do município.

Cliente de loja em Tailândia higieniza as mãos em pia instalada na entrada do estabelecimento (foto: Josenaldo Jr / Portal Tailândia)

Como parte dessas ações, tem sido feito um trabalho de difusão de informações relacionadas a boas práticas sanitárias e de higiene, através de imagens e vídeos na internet. Comércios têm distribuído máscaras; funcionários dos estabelecimentos fazem higienização das mãos de clientes, e em muitos casos, pias foram instaladas na entrada das lojas.

Lojas afixaram avisos da entrada obrigatória com máscara (foto: Josenaldo Jr / Portal Tailândia)

Os representantes das entidades, têm participado de pesquisas, fóruns de discussões estaduais e nacional, visando adotar as melhores práticas a serem abraçadas pelo comércio local, afim de reduzir a proliferação da doença, e ao mesmo tempo, preservar os estabelecimentos comerciais e consequentemente a fonte de renda das famílias que deles dependem.

As entidades e associados têm se reunido com representantes do Poder Público Municipal e discutido ações no sentido de preservar vidas e a economia local.

Como parte deste esforço comum, um Ofício Conjunto das entidades, foi elaborado nesta segunda-feira (11), e protocolado junto a prefeitura, propondo mais medidas no enfrentamento à pandemia, são elas:

1 – Aplicação de Multas a estabelecimentos flagrados em atendimento ao cliente sem a exigência do uso de máscara, sem a disponibilidade de álcool em gel em concentração 70% e sem a demarcação de distância mínima entre clientes;
2 – Estabelecer a obrigação de estabelecimentos de grande porte (para os padrões de Tailândia) colocar nas entradas das lojas colaborador para controle de acesso, inclusive, orientando a entrada de apenas um membro da família por vez;
3 – Estabelecer a obrigação de estabelecimentos de grande porte atender somente a quantidade de clientes prevista em Decreto Estadual e ou Decreto Municipal. Devendo o controle ser feito pelo próprio estabelecimento.
4 – Fiscalização rígida do cumprimento do horário de encerramento das atividades;
5 – Toque de recolher a partir das 21 horas até as 06 horas do dia seguinte, em caráter de exceção, os trabalhadores de entrega de alimentos (delivery), os quais podem manter suas atividades até as 23 horas, mediante comprovação da atividade;
6 – Usar de Rígido controle sanitário na entrada e saída do município;
7 – Disponibilizar uma equipe de servidores para auxiliar as pessoas que tem dificuldades em ter acesso ao auxílio emergencial e estão em fila sem necessidade. Isso colaborará na diminuição da quantidade de pessoas nas filas da caixa, bancos e lotéricas.
8 – Otimizar a distribuição de alimentos no Restaurante Popular, afim de evitar aglomeração;
9 – Controlar o fluxo de pessoas advindas do interior (em ônibus da PMT) à sede do município, um membro por família e pessoa para orientar sobre a necessidade de se adequarem as medidas de segurança (inclusive, distribuindo máscaras), certamente auxiliaria no combate a proliferação do vírus e aglomerações;
10 – Montar tendas em frente à Caixa Econômica e Lotéricas com assentos ou lugar de espera demarcados com a distância mínima exigida;
11 – Designar o Demutran para auxiliar as Polícias Civil e Militar na fiscalização e aplicação de sansões oriundas de Decreto Municipal e Estadual;
12 – Estabelecer normas rígidas de higiene e controle de acesso à feira do agricultor e mercado municipal;
13 – Viabilizar, na forma da lei, a alteração de prazos de vencimentos de tributos municipais e a não-incidência de encargos por eventual atraso no pagamento daqueles tributos, em decorrência das medidas determinadas por Decreto;
14 – Estabelecer medidas tais como advertência e ou multa a indivíduo flagrado em vias públicas sem justificativa plausível;
15 – Estabelecer às malharias a obrigação de confeccionar e manusear as máscaras de pano em conformidade às instruções descritas pela Nota Informativa nº 3/2020 – CGGAP/DESF/SAPS/MS, do Ministério da Saúde;
16 – Estabelecer a Obrigação dos estabelecimentos fixarem horário e setores exclusivos para atender a clientes com idade superior ou igual a 60 anos e aqueles do grupo de risco, conforme a autodeclaração, evitando ao máximo a exposição ao contágio pelo COVID-19;
17 – Estabelecer a obrigação dos estabelecimentos, adotarem sistemas de escalas, de revezamento de turnos e alterações de jornadas, para reduzir os fluxos, os contatos e as aglomerações de trabalhadores, disponibilizando material de higiene e orientando os mesmos de modo a reforçar a necessidade de seguir os protocolos da OMS;
18 – Reunir com empresas de transporte de passageiros e trabalhadores (Agropalma, Belém Bioenergia, e cooperativa de vans) para adoção de protocolos rígidos de combate ao contágio pelo COVID-19;
19 – Orientar por meios diversos aos idosos e pessoas do grupo de risco a evitarem sair de casa, ter contato com familiares, vizinhos e ou amigos e fazer uso de delivery, seja para compra de alimentos, medicamentos e etc;
20 – Desinfetar as principais vias da cidade;
21 – Criar Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao COVID-19;
22 – Publicar Decreto Municipal com estas e outras medidas julgadas convenientes e necessárias.

Serviço

Associação Comercial e Industrial de Tailândia – ACITA / CDL – Travessa Bela, nº 55, Centro. Fone: 3752-1504 / WhatsApp: (91) 99152-2578

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *