A família da pequena Agatha Lorrena, de 3 anos de idade, acusa o Hospital Geral de Tailândia (HGT) de ser negligente após a garota morrer por falta de sangue, segundo a família.

Uma tia da menina usou as redes sociais para relatar o caso. Segundo ela, a pequena Agatha deu entrada no hospital por volta das 9h do dia 31, e evoluiu a óbito às 23h do mesmo dia.

Com quadro de anemia falciforme, a garota necessitava de sangue, tipo O+ (o positivo), mas no HGT não havia bolsas com o tipo de sanguíneo, relatou a tia.

O caso gerou revolta em grupos de WhatsApp e Facebook pela morte da menina, por falta de sangue no HGT. A Secretária de Saúde do Município, Ruth Alcântara, também usou a rede social para relatar que o hospital não solicitou apoio da Secretaria de Saúde.

Outro Lado

O HGT divulgou uma nota na tarde desta terça-feira (12), onde afirma que foram feitos todos os esforços necessário para salvar a vida da criança, mesmo diante do estado grave de saúde dela.

Leia a nota abaixo!

A diretoria Técnica do Hospital Geral de Tailândia (HGT), esclarece que a equipe multiprofissional da unidade hospitalar ofereceu toda assistência necessária à pequena A. L. B, 3 anos, que deu entrada no hospital no dia 1/1/2021, com quadro grave de desidratação, entre outros sintomas e diagnóstico prévio de anemia falciforme.

Entre os atendimentos efetuados para reabilitação de seu quadro de saúde, foi solicitado duas unidades concentrado de hemácias fenotipado (para garantir a compatibilidade das características sanguíneas mais próximas entre doador e receptor, o que também restaura adequadamente a oxigenação dos tecidos), ao Hemopa Abaetetuba, mas dado o grave estado de saúde da criança e apesar de todos os esforços realizados também pelo HGT, a paciente veio a óbito, antes mesmo do sangue ser administrado. A direção do HGT lamenta profundamente o ocorrido e se solidariza com a família.

Quanto a Agência Transfusional (AT) informamos que a direção do hospital mantém seu pleno funcionamento desde que assumiu a gestão do hospital em julho de 2013. Somente em 2020, a AT do HGT garantiu a realização de 975 transfusões de sangue junto aos usuários internados no hospital. A mesma é abastecida pela Fundação Hemopa.

Banco de Sangue

Importante para a saúde do município, o banco de sangue foi implantado no primeiro mandato do atual prefeito Paulo Liberte Jasper – Macarrão (MDB). Mas Tailândia deixou de contar com o banco de sangue logo após “Macarrão” deixar a prefeitura em 2008.

Além do banco de sangue, importante para implantação de uma UTI e um Centro de Hemodiálise, a administração do HGT foi entregue ao Governo do Estado. A época, o município atuava em alta complexidade, mas nos dias atuais, atua apenas na atenção básica.

“Macarrão”

“Macarrão” falou sobre a perda do banco de sangue, em uma entrevista no fim do mês de dezembro concedida à imprensa local.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *