Decreta prisão de eleitor de Belém que agrediu mesária ao achar que urna estava fraudada

Uma juíza eleitoral pediu a prisão de um eleitor que filmou o voto na urna eletrônica, causou tumulto na seção eleitoral e empurrou uma mesária que tentou impedi-lo de registrar o voto em um colégio eleitoral no bairro do Tenoné, em Belém. Nas imagens, a tela da urna mostra a opção de voto para governador, o número 17 e a mensagem de ‘voto nulo’. Isso ocorre porque, no Pará, não há candidato para governador com o número 17.

Ele, então, fez um vídeo para denunciar o que achou ser uma fraude no processo eleitoral. Ele ainda filma outros eleitores na fila e diz que “estão falsificando as urnas, 17 está aparecendo nulo”. O eleitor diz que estava tentando votar para presidente.

Diante da cena, a supervisora da mesa alertou o eleitor que é proibido registrar o voto, e foi empurrada. A Polícia Militar foi acionada, mas o eleitor se apresentou como PM da reserva e não foi preso por motivos hierárquicos, segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA).

A juíza da 97ª Zona Eleitoral, Ana Patrícia Mendes, determinou a busca do eleitor para que ele seja autuado em flagrante. O TRE informou ainda que, caso a prisão não seja realizada em 24 horas, um inquérito será instaurado com as informações dos acontecimentos que foram registrados em ata.

Com informações G1/PA

Você pode gostar de ver

Pesquisa nos estados: Jair Bolsonaro lidera em 15 estados

Jair Bolsonaro lidera em 15 estados e no DF, incluindo os três maiores colégios eleitorais: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

PT, PMDB e PSDB têm maior número de nomes na lista de investigados

A lista de ministros, governadores, senadores e deputados que serão investigados por…

Rede Sustentabilidade é o nome do novo partido de Marina Silva

Partido foi lançado oficialmente neste sábado (16), em Brasília. Ex-senadora disse que pode concorrer nas eleições de 2014.

Temer deve aguardar decisão do STF sobre Lava Jato para indicar novo ministro

A tendência é que Temer aguarde uma decisão da presidente do STF