Foto: Reprodução

Foi preso no domingo, 3, o homem acusado de atropelar, agredir e estuprar uma mulher no município de Novo Progresso, sudoeste paraense. O acusado, identificado como Claudionor SanDesk, 44 anos, foi preso na noite de ontem, em uma ação conjunta das polícias Civil e Militar.

De acordo com informações da Polícia Civil em Novo Progresso, a situação na porta da delegacia onde o preso está custodiado, “está complicada”, pois tem muita gente no local revoltada com o crime e esperam “fazer justiça com as próprias mãos”. Agentes de segurança estão tentando acalmar os ânimos dos presentes.

Investigação e Prisão

De acordo com a Polícia Militar, imagens de câmeras de segurança colocam o veículo de Claudionor, um Kwid de cor cinca, nas proximidades da cena do crime. Nas imagens obtidas pela polícia, o veículo de SanDesk passa no mesmo horário do crime, na Rua Santiago, esquina com a Rua Cristalina. O veículo aparece nas imagens com o pneu dianteiro frontal direito furado, e com a calota quebrada, o que coincide com o mesmo lado que a vítima relatou ter sido atingida, na traseira esquerda da sua moto. Diante das imagens foram feitas diligências em vários bairros, acompanhando por meio de câmeras de segurança, todo o percurso das ruas Santiago, Cristalina e Industrial até que chegou na casa do acusado.

Segundo a PM, em um primeiro momento, durante a abordagem policial, Claudionor teria escondido o veículo da GUPM comandada pelos sargentos Maduro, Chagas e Gilberto, mas, logo em seguida, já em uma segunda abordagem, foi identificado o carro ao fundo da casa escondido. O veículo já estava com o pneu trocado, porém, a calota quebrada encontrava-se dentro do veículo, sendo o suficiente para que os policiais prendessem o acusado pelo crime. O veículo foi apreendido.

Relembre o caso

O crime aconteceu na madrugada do sábado, 2, a vítima, identificada apenas como “Juliana”, retornava do trabalho em uma motocicleta quando foi interceptada pelo homem que usou o carro para derrubá-la, agredi-la e, na sequência, violentá-la, nas proximidades de um loteamento conhecido como Pantanal.

O caso gerou revolta na população.

Por: Roma News

Comentário
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.