Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará

De acordo com Cilene Sabino, presidente da Junta Comercial do Pará (Jucepa), o resultado positivo faz parte do empenho do governo do Estado de desburocratizar o ambiente de negócios.

Foto: Bruno Cecim / Ag.Pará

Ela ressaltou que os dados positivos são reflexos da gestão estadual, que resgata a credibilidade do empreendedor, com a isenção da taxa pública de serviços da Jucepa no ano passado, seguida de investimentos que tornam o Pará mais atrativo para o investidor e de um serviço com maior eficiência para o registro das empresas.

O relatório avalia o desempenho dos estados em diferentes aspectos, considerados fundamentais para o empreendedorismo, como o processo de abertura de empresas; a concessão de alvarás de construção; o registro de propriedades; o pagamento de impostos e a execução de contratos.

Além disso, o estudo apresenta análise específica relacionada ao processo de abertura do Microempreendedor Individual (MEI) e ao pagamento de impostos pelo Simples Nacional, em cinco cidades brasileiras.

O estudo foi realizado em parceria com a Secretaria-Geral da Presidência da República. Para tanto, contou com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Todos os anos o Banco Mundial realiza o Doing Business Global, que mede o ambiente de negócios em 190 países. A Jucepa investe em ações e tecnologia para facilitar a abertura de empreendimentos.

Registros – Segundo o balanço da Junta Comercial do Pará, de janeiro a maio de 2021 foram registradas as aberturas de 40.526 estabelecimentos, um aumento de  43,16% em relação ao mesmo período de 2020, quando foram contabilizados 28.309 empreendimentos.

No Pará, as cidades com os melhores saldos na abertura de novos negócios foram Belém, com 11.952; Ananindeua, 4.341; Santarém, 2.096; Parauapebas, 1.795, e Marabá, com 1.737.

Com relação aos tipos jurídicos, o Empresário Individual (EI) foi o que mais abriu empresas no Estado, com 34.485 registros, seguido pela Sociedade Limitada (LTDA), com 3.303; Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI), 2.531; Sociedade Anônima, 155, e Cooperativa, com 43 registros.

O Pará se destaca nacionalmente na abertura de empresas, segundo o relatório Doing Business Subnacional Brasil 2021, divulgado nesta terça-feira (15) pelo Ministério da Economia.

É a primeira vez que o estudo produzido pelo Banco Mundial analisou o ambiente de negócios dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal. No relatório, Belém aparece em primeiro lugar no quesito abertura de empresas, com 84,7 pontos, seguida por Curitiba (PR), com 84,5; Teresina (PI), com 84,5, e Florianópolis (SC), com 83,9 pontos. Cilene Sabino destacou a implantação do sistema 100% digital.

De acordo com Cilene Sabino, presidente da Junta Comercial do Pará (Jucepa), o resultado positivo faz parte do empenho do governo do Estado de desburocratizar o ambiente de negócios.

Ela ressaltou que os dados positivos são reflexos da gestão estadual, que resgata a credibilidade do empreendedor, com a isenção da taxa pública de serviços da Jucepa no ano passado, seguida de investimentos que tornam o Pará mais atrativo para o investidor e de um serviço com maior eficiência para o registro das empresas.

O relatório avalia o desempenho dos estados em diferentes aspectos, considerados fundamentais para o empreendedorismo, como o processo de abertura de empresas; a concessão de alvarás de construção; o registro de propriedades; o pagamento de impostos e a execução de contratos.

Além disso, o estudo apresenta análise específica relacionada ao processo de abertura do Microempreendedor Individual (MEI) e ao pagamento de impostos pelo Simples Nacional, em cinco cidades brasileiras.

O estudo foi realizado em parceria com a Secretaria-Geral da Presidência da República. Para tanto, contou com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Todos os anos o Banco Mundial realiza o Doing Business Global, que mede o ambiente de negócios em 190 países.A Jucepa investe em ações e tecnologia para facilitar a abertura de empreendimentos

Registros – Segundo o balanço da Junta Comercial do Pará, de janeiro a maio de 2021 foram registradas as aberturas de 40.526 estabelecimentos, um aumento de  43,16% em relação ao mesmo período de 2020, quando foram contabilizados 28.309 empreendimentos.

No Pará, as cidades com os melhores saldos na abertura de novos negócios foram Belém, com 11.952; Ananindeua, 4.341; Santarém, 2.096; Parauapebas, 1.795, e Marabá, com 1.737.

Com relação aos tipos jurídicos, o Empresário Individual (EI) foi o que mais abriu empresas no Estado, com 34.485 registros, seguido pela Sociedade Limitada (LTDA), com 3.303; Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI), 2.531; Sociedade Anônima, 155, e Cooperativa, com 43 registros.

Por Agência Pará

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *