Entraram em vigor, nesta quinta-feira (23), os novos preços do botijão de gás de cozinha, válidos em todo o país, após anúncio do reajuste de 5% nas refinarias feito na quarta (22) pela Petrobras.

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base nos dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o gás teve uma alta de 0,44% no preço médio verificado em junho no Pará, em comparação com o mês de maio. Já no acumulado do primeiro semestre deste ano, entre janeiro e junho, o produto apresentou reajuste médio de 1,84%.

A pesquisa mostrou que o botijão de gás de cozinha de 13 quilos foi vendido a cerca de R$ 77,13 no Pará no mês passado, com os preços variando entre R$ 65 e R$ 110, dependendo do local. No mês de maio, o produto foi comercializado a, aproximadamente, R$ 76,79 no Estado, sendo que o menor preço era de R$ 65  e o maior de R$ 108. Com isso, o Pará ficou em sexto lugar na lista dos Estados do Norte que vendem o gás mais caro, e o sétimo mais caro do país.

Segundo as análises do Dieese, a tendência para o mês de julho, com o novo reajuste da Petrobras, é de alta no preço do botijão de gás. Em termos de impacto, até o mês passado, quem ganhava até um salário mínimo (atualmente R$ 1.045) e gastava cerca de R$ 77,13 no consumo de um botijão por mês, tinha impacto de 7,38% no ganho salarial, número que deve ser maior neste mês, de acordo com o órgão.

Por: O Liberal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.