Obras de pavimentação com asfalto poroso, mais aderente, na pista principal do Aeroporto Santos Dumont.


Rodovia de muitas histórias, a BR-163 exemplifica bem o que o investimento em infraestrutura na malha rodoviária brasileira pode trazer em benefícios para o país. Um dos mais importantes é a queda no preço médio de fretes para o escoamento da produção agropecuária, fundamental para o desenvolvimento econômico nacional. 

Após mais de quatro décadas, as obras de pavimentação da BR-163, no trecho que liga Sinop, no Mato Grosso, ao porto de Miritituba, no Pará, foram concluídas e entregues pelo governo federal no início do ano. As cenas comuns de caminhões em congestionamentos enormes, atolados na lama ou com algum outro problema ficaram no passado. 

De acordo com Movimento Pró-Logística de Mato Grosso, a nova infraestrutura impactou na redução do valor médio do frete em 24%, na comparação entre o antes e o depois da pavimentação.

Além dos ganhos para o consumidor interno e externo, Edeon Vaz Ferreira, diretor executivo do movimento, explica que a conclusão das obras permitiu aos caminhoneiros dobrar o número de viagens no trecho entre Sinop e Miritituba e, assim, aumentar a renda. 

“Antes de 2019, o motorista conseguia fazer, no máximo, três viagens e ele acabava tendo uma renda pequena. Após a pavimentação, ele faz de seis a sete viagens por mês. Então, embora o frete tenha reduzido, ele ganha mais do que ganhava nos anos anteriores, com muito menos problema de estragar caminhão”, compara. 


Rodovia de muitas histórias, a BR-163 exemplifica bem o que o investimento em infraestrutura na malha rodoviária brasileira pode trazer em benefícios para o país. Um dos mais importantes é a queda no preço médio de fretes para o escoamento da produção agropecuária, fundamental para o desenvolvimento econômico nacional. 

Após mais de quatro décadas, as obras de pavimentação da BR-163, no trecho que liga Sinop, no Mato Grosso, ao porto de Miritituba, no Pará, foram concluídas e entregues pelo governo federal no início do ano. As cenas comuns de caminhões em congestionamentos enormes, atolados na lama ou com algum outro problema ficaram no passado. 

De acordo com Movimento Pró-Logística de Mato Grosso, a nova infraestrutura impactou na redução do valor médio do frete em 24%, na comparação entre o antes e o depois da pavimentação. 

Além dos ganhos para o consumidor interno e externo, Edeon Vaz Ferreira, diretor executivo do movimento, explica que a conclusão das obras permitiu aos caminhoneiros dobrar o número de viagens no trecho entre Sinop e Miritituba e, assim, aumentar a renda. 

“Antes de 2019, o motorista conseguia fazer, no máximo, três viagens e ele acabava tendo uma renda pequena. Após a pavimentação, ele faz de seis a sete viagens por mês. Então, embora o frete tenha reduzido, ele ganha mais do que ganhava nos anos anteriores, com muito menos problema de estragar caminhão”, compara. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *