Crédito: Ilustrativa/Freepik

Durante o comunicado oficial realizado nesta segunda-feira, 7, o governador do Estado do Pará, Helder Barbalho (MDB), falou sobre a intenção do Pará na vacina contra a covid-19, prometida pelo governador do estado de São Paulo, João Dória (PSDB) e sobre o plano de vacinação do estado contra a doença. Além disso, o governador falou sobre os dados da covid-19 no estado, faixa etária das pessoas infectadas, situação de leitos nos hospitais regionais e sobre a permanência do Hospital de Campanha no Hangar, em Belém, até que não haja mais demandas para a coronavírus.  

Segundo Helder, já nesta terça-feira, 8, ele viaja para Brasília, onde às 11h tem audiência com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello e demais governadores, onde serádiscutido o plano nacional de imunização da covid-19. “Iremos tratar junto ao Ministério da Saúde sobre o calendário e quais as ações pensadas, efetivamente, para que possamos sinalizar a população sobre a vacinação tão esperada por todos”, destaca o governador.

Ainda de acordo com o governador, ele também irá até o estado de São Paulo para assinatura de um protocolo de intenções junto ao Instituto Butantan, na vacina que for aprovada pela Anvisa. “Primeiramente nós iremos saber do governo federal como está a questão do calendário de imunização e, sobre avanço das possíveis vacinas. E, caso esteja ‘ok', seguiremos o plano junto ao Ministério, mas, caso esse processo demore, o protocolo de intenção que iremos assinar junto ao Butantan, é para sinalizar a intenção do Estado do Pará, no momento em que haja a disponibilidade de uma vacina, regularizada pela Anvisa, o Pará possa adquirir e garantir acesso ao produto para a nossa população”, finaliza.

Segundo o governador, o plano estadual de vacinação contra a covid-19 está avançado e deverá ser divulgado já nos próximos dias.

Coronavac

O Instituto Butantan começou hoje, 7, a realizar o envasamento dos insumos da Coronavac para a produção de 1 milhão de doses da vacina. Esse processo de distribuição da matéria-prima nos frascos deve durar de quatro a sete dias.

Posteriormente, será feita a rotulagem das ampolas, que ficarão armazenadas até a aprovação e liberação para uso na população. A Coronavac é produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan e, está na fase final de testes e aguarda o registro e a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Disponibilização

Nesta segunda, 7, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), informou que irá disponibilizar quatro milhões de doses da vacinha contra covid-19, Coronavac, aos estados e municípios que solicitaremo produto.

Ainda de acordo com o tucano, oito estados entraram em contato com o Instituto Butantan.

Por: Roma News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *