Pai e filho foram mortos a tiros na BR-230
Foto: Divulgação

A Delegacia de Polícia Civil São João do Araguaia iniciou as investigações para tentar descobrir a motivação e a autoria do duplo homicídio ocorrido na noite de terça-feira (3), que vitimou pai e filho.

O caso se registrou nas margens da BR-230, entre a Vila 1º de Março e a Vila Diamante (Km 40), no município de São João. As vítimas foram identificadas como Luiz Carlos Ferreira de Sousa, de 56 anos, e o filho dele, Luide Renan Félix Carneiro, de apenas 19.

Foto: Divulgação

Os dois foram mortos a tiros, sendo que Luiz morreu dentro da caminhonete, enquanto Luide foi baleado ao lado do veículo. Os corpos deram entrada no Instituto Médico Legal (IML) de Marabá às 2h20 da madrugada desta quarta (4).

No IML para fazer a remoção do corpo de Luide, um parente dele disse ter recebido a seguinte informação: seu irmão saiu da casa da namorada na vila 1º de Março e seguia de moto para o Km 40, onde morava. No trajeto ele se deparou com a caminhonete de seu pai Luiz, que estava em sentido contrário, provavelmente porque Luiz vinha do Km 40 para a chácara onde mora.

O veículo estava encostado na cerca na beira da pista, com o capô levantado, dando a impressão de que poderia ter sofrido um acidente. Luide teria descido da moto e deixou o veículo com motor ligado e o farol apontando para a cabine da caminhonete.

Ele encostou para ver o que tinha acontecido, foi quando se deparou com o pai dele já morto, deitado no banco e com marcas de tiro na cabeça. Em seguida veio o pior.
Os criminosos ainda estariam no local, escondidos, e ao verem o rapaz o executaram também. “Ele passou na hora errada”, relatou o rapaz, que é irmão de Luide apenas por parte de mãe.

Perguntado sobre como teve acesso a toda essa dinâmica do crime, ele disse que a informação foi repassada por moradores de uma chácara que fica perto de onde tudo aconteceu. Essas pessoas, segundo ele, não chegaram a ver ninguém.

Mas ouviram a caminhonete parando, em seguida escutaram os primeiros tiros e logo depois ouviram também a moto parando no local e depois veio a segunda rajada de balas.

Delegado Márcio Brasil Maio, que responde pela Delegacia de São João, disse que enviou uma equipe de investigadores ao local para colher as primeiras informações, porque até o momento há poucas pistas sobre autoria e a motivação do duplo homicídio.
O que sabe das vítimas é que Luide era estudante e não tinha passagens pela polícia, enquanto seu pai era negociante de gado na região.

*Com informações Correio de Carajás.

Compartilhe isso: