Após o episódio em que uma mulher foi agredida e humilhada por policias civis em uma embarcação que fazia o trajeto Marajó/Belém, na semana passada, uma outra pessoa envolvida na confusão alega estar sofrendo ameaças de mortes. Trata-se da mulher apontada como pivô da confusão iniciada por conta de uma rede.

A mulher, que não quer se identificar, teria sido apontada inicialmente como policial civil, depois foi dito que ela teria um relacionamento com um dos policiais envolvidos na agressão, segundo seu advogado, no entanto, ela não seria nem uma coisa nem outra. “Minha cliente está psicologicamente muito abalada com toda essa situação. Ela está sendo apontada de maneira equivocada como a policial que acionou os outros policias, e por isso está sofrendo sérias ameaças. Estão ameaçando-a até de morte”, relatou Heitor Cruz, que faz a defesa da jovem. 

Segundo o advogado, sua cliente estava com sua rede armada quando a vítima chegou pedindo para que ela se afastasse. A jovem se recusou, pois não havia mais espaço para pôr a rede em outro lugar. A outra mulher então teria insistido e as duas iniciaram uma discussão. Ainda de acordo com o advogado, uma terceira mulher, que teria se identificado como policial civil, interferiu e chamou os outros policias que já estavam na embarcação. 

A jovem já foi ouvida na Delegacia de Breves e, assim como os demais envolvidos, está à disposição da justiça. “Buscamos providências para que a situação da minha cliente seja esclarecida, e que possa fica em segurança”, disse o advogado, sobre as ameaças que ela estaria sofrendo.

Roma News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *