Corpo foi encontrado às 8h por moradores do bairro Almir Gabriel (Akira Onuma/ O Liberal)

O técnico em eletrônica Delson de Souza Nascimento, de 57 anos, foi morto a tiros na madrugada desta sexta-feira (4), em Marituba, região metropolitana de Belém. O corpo dele foi encontrado no início da manhã por populares, no bairro Almir Gabriel. O crime pode ter relação com o assassinato da ex-companheira da vítima, identificada apenas pelo prenome Ruth, na noite de quinta (5), na mesma região.

Segundo informações repassadas à polícia, o corpo de Delson foi encontrado por volta das 8h, na rua Vilage, na entrada do Carpará. Inicialmente, a cena do crime dava a entender que se tratava de um suicídio. A vítima era suspeita de ter participado do homicídio que vitimou a ex-companheira algumas horas antes, e uma arma de fogo foi encontrada sob o corpo.

Com a perícia, a hipótese não foi descartada, mas segundo o perito criminal Ivanildo Rodrigues, o caso “não parece ter características de suicídio”. “A cena estava organizada como suicídio, mas alguns elementos, que ainda vamos organizar com cautela, não parecem ter essa característica”, explicou Rodrigues.

Delson foi alvejado com dois tiros no peito, e no momento em que levou o segundo tiro, estava deitado no chão. Aparentemente, o cenário foi montado para fazer as autoridades acreditarem que a execução se tratava de um suicídio. “Mas não descartamos a possibilidade de a vítima ter puxado a arma pra tentar se defender e eles (os criminosos) não terem visto, porque a arma estava sob o corpo da vítima”, disse o perito.

Ainda segundo Ivanildo Rodrigues, a vítima não apresentava sinais de ter sofrido violência, além dos tiros. “A cena parece ter sido organizada para supor uma ação diferente da que nós estamos analisando. Mas vamos analisar com cautela, pois o caso precisa ter uma resposta para a sociedade”, concluiu.

Homicídio da ex-companheira

Por volta das 21h desta quinta-feira (3), a ex-companheira de Delson, identificada pelo prenome Ruth, foi morta a tiros, também no bairro Almir Gabriel. Em favor dela, a justiça havia emitido uma medida de proteção para que Delson não se aproximasse.

Segundo a polícia, ele era suspeito de ter cometido o crime. A autoria, no entanto, não chegou a ser confirmada. “Ainda vamos trabalhar no caso para dar uma resposta mais incisiva”, afirmou o tenente da Polícia Militar (PM) Leonel.

Por: O Liberal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *