Reprodução: Internet


A Prefeitura Municipal de Juruti, no Pará, proibiu por tempo indeterminado o consumo e comercialização das espécies de peixe pirapitinga, pacu e tambaqui, capturadas em rios e lagos do Amazonas, inclusive as criadas em cativeiro. Segundo comunicado da Secretaria Municipal de Saúde, que tomou a decisão por meio das coordenações de Vigilância em Saúde e Sanitária, a medida foi adotada com o objetivo de prevenir o contágio da Doença de Haff, conhecida como “Doença da Urina Preta”.

Os peixes de outras espécies e aqueles oriundos da pscicultura de Juruti, continuam liberados. A medida começou a valer na terça-feira (7), mesmo dia em que foi anunciada a morte de um homem, em Santarém, por suspeita da ‘doença da urina preta’. Genivaldo Cardoso de Azevedo, de 55 anos, deu entrada no Hospital Municipal de Santarém apresentando sintomas compatíveis com o da doença, que é causada por uma toxina encontrada em determinados peixes, provocando lesões nos músculos e nos rins.

A Secretaria de Estado de Saúde foi notificada pelo Núcleo de Epidemiologia do Hospital de Santarém sobre o caso uma equipe de vigilância epidemiológica local, com apoio da Central de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), já está investigando para confirmar ou descartar a suspeita.

(Alyne Cid)

No Amazonas, 44 casos chamam a atenção dos órgãos de controle sanitário, após moradores apresentarem “urina preta”, como é conhecida a doença de Haff. 

Por: O Liberal





Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *