Na tarde deste sábado (27/03) tornaram-se públicos vários áudios de integrantes da cúpula de facção criminosa sediada no Rio de Janeiro com membros da alta cúpula da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Pará (SEAP-PA), em que negocia com a facção criminosa acusada de determinar a matança de Policiais Penais no estado paraense.

Nos áudios confirma-se que o tenente-coronel Vicente Neto, da Polícia Militar e dirigentes do Comando de Operações Penitenciárias (COPE) negociava  com líderes da organização criminosa, facilidades para os presos no Complexo de Americano, em Santa Isabel e em Marituba, região metropolitana de Belém.

A negociação seria para que os criminosos obtivessem facilidades dentro das penitenciárias, como visitas íntimas, quatro refeições diárias, troca de colchões e monitoramento de tornozeleiras eletrônicas. A facção é suspeita de comandar, de dentro das cadeias, as execuções de policiais penais no estado. Foram pelo menos nove assassinatos desde fevereiro do ano passado. 

O Sindicato dos Policiais Penais do Estado do Pará (SINPOLPEN-PA) emitiu Nota Pública de Repúdio ao Governo do Estado, pela omissão no enfrentamento ao crime organizado, que vem matando e atentando contra a vida de policiais penais em todo o Pará [mais de uma dezena de policiais já foram mortos em menos de 10 meses], cujo fato não tem sido capaz de tirar o governador Helder Barbalho (MDB) do silêncio sepulcral que tomou conta do chefe do Executivo, quando o assunto é a matança de policiais penais.

A alta cúpula agora é suspeita de mandar matar os agentes penais no Pará devido a participação na negociações dos criminosos.

Conforme a Nota Pública de Repúdio do SINPOLPEN-PA na “negociação”, fica clara a intenção da facção de atacar servidores do sistema penitenciário do Pará, notadamente Policiais Penais.

Apesar da nota da SINPOLPEN-PA cobrando o governo para tomar uma posição efetiva e clara para proteger a vida dos profissionais, nenhuma medida foi tomada.

O Procurador Geral da República Augusto Aras na condição, inclusive de Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) será provocado visando a apurar possíveis omissões do Ministério Público do Estado do Pará, que até agora nenhuma posição de conhecimento público adotou em relação ao Governo do Pará.

Os áudios vazados em que comprovam a participação de membros da alta cúpula do governo do Estado do Pará, vinculados ao Sistema Prisional, conforme vários policiais penais, conforme policiais penais do Pará, conheceram facilmente as vozes dos senhores Ringo Alex e do coronel Vicente (PM-PA), ambos integrantes de órgãos de comando do Sistema Penitenciário, inclusive o Sr. Ringo Alex ocupa o cargo de Diretor Geral de Administração Penitenciária (DAP), sendo que todos os diretores de estabelecimentos penais são ele subordinado diretamente.

Informações de Roma News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *