ASecretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup) anunciou, na tarde do último sábado (5), que a Força-Tarefa permanece atuando na busca pelos envolvidos no assalto ocorrido no Banco do Brasil, na cidade de Cametá, na última terça-feira (1). A fase agora é de finalização da análise das imagens obtidas pela instituição bancária em locais próximos ao evento e do material biológico recolhido.

Há, ainda, a espera do resultado da análise papiloscópica feita em objetos e bens recolhidos, além da busca ininterrupta dos criminosos já identificados. A Polícia Civil solicitou à justiça a prisão temporária, por 30 dias, dos quatro suspeitos apontados pela investigação como tendo envolvimento no assalto. A representação foi acolhida e deferida pelo poder judiciário na madrugada da quinta-feira (03), após parecer favorável do Ministério Público Estadual. Na sexta-feira, as imagens do circuito de segurança interno da instituição bancária foram divulgadas.

Na quinta-feira (3), o segundo veículo localizado no rio Itaperuçu, no município de Baião foi içado e encaminhado para perícia. Dentro do veículo foram encontrados fragmentos, explosivos e projéteis. No primeiro veículo, encontrado ainda na quarta-feira (2), foram encontrados 38 kgs de dinamite, cartuchos e outros itens.

DILIGÊNCIAS

As Polícias Civil e Militar continuam realizando diligências por toda a região do Baixo Tocantins. As equipes do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE) reforçam a segurança da cidade juntamente com o efetivo local. Testemunhas continuam sendo ouvidas e o CPC Renato Chaves segue realizando o trabalho de perícia criminal.

O secretário de segurança pública e defesa social do Pará, Ualame Machado, reforça que o trabalho pelas buscas aos envolvidos no assalto permanecem. “Em 2020, nós temos 80% de crimes na modalidade vapor ou novo cangaço a menos do que os registrados em 2019. O número totalizou 15 no ano passado e três este ano. Ou seja, a inteligência policial agiu e conseguimos evitar diversos casos. O ideal é que nenhum fosse registrado, mas ocorrendo, nós estamos com todo o aparato policial empenhado para identificar, localizar e colocar à disposição da justiça todos os envolvidos, para assim dar uma resposta aos moradores de Cametá que passaram por esse lamentável episódio e a todo o povo do Pará”, afirmou.

PARA ENTENDER A AÇÃO CRIMINOSA

O assalto a vapor foi registrado na madrugada da quarta-feira , dia 2 de dezembro, envolveu mais de 20 criminosos fortemente armados, com armas de grosso calibre como fuzis. A ação, que durou mais de uma hora, teve como alvo o Banco do Brasil. Um refém, o locutor Alessandro Lopes, foi alvejado pelos criminosos e morreu no local. Outro morador, que foi atingido na perna por arma de fogo, continua internado no hospital da cidade, mas sem gravidade. Os criminosos explodiram o cofre errado e nenhum valor foi levado.

Dol

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *