(Foto: divulgação)
(Foto: divulgação)
(Foto: divulgação)

O tema não é novo, a notícia acerca de agressão a professores não é inédita. Porém sua realidade é brutal.

Antes de tratar da questão em nosso contexto permita-me falar do Japão, a terra do Sol Nascente.

Em países como o Japão o professor chamado de sensei que se traduz literalmente por “mestre”, é respeitado e visto como instrumento fundamental na construção de um futuro melhor. Por isso, o governo japonês seleciona professores qualificados para a função.

Quanto ao salário – Para termos ideia sobre valores, podemos dar uma olhada nos dados do site Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), que mostra que o salário médio anual de um professor do ensino fundamental no Japão é de 25.454 dólares (incluindo os bônus). O valor aumenta conforme o tempo de trabalho, podendo chegar a 56.543 dólares. Já, (pausa por favor), os salários de professores no Brasil estão entre os mais baixos do mundo, juntamente com outros países como Argentina, China, Índia e Indonésia. Isso realmente é muito triste, pois mostra que a educação não é abordada de forma prioritária, tal como deveria ser.

Voltando as terras que segundo a história contada e escrita foi descoberta por Pedro Álvares Cabral nos idos de 1500, o professor embora seja um agente do bem, é tratado como um ser do mal. Status? Nenhum. Valor? Zero. E quem é o professor no Brasil? É aquele que terá que educar (entenda educar da forma mais ampla que puder imaginar) a criança, o adolescente, o jovem e adulto a respeitar o semelhante, não bater no colega, ser cortês, ser honesto. Mas, espere um pouco. O professor não deveria ensinar matemática, português, história, sociologia e filosofia e etc? Sim, deveria. Mas infelizmente, no Brasil jogaram a responsabilidade para o professor fazer o que o pai e a mãe deveriam.

E o quadro atual é esse ai que vocês estão vendo na grande tela, TV e internet, professores apanhando, sendo assassinados dentro e fora da sala de aula. Totalmente abandonados pela estrutura educacional-governamental do país. Sem autoridade na sala de aula. Entra na sala como um cão medroso com as orelhas abaixadas e rabo entre as pernas. Você tem todo direito de não achar legal a comparação, mas é isso mesmo que acontece nesse país.

Estão destruindo o futuro do Brasil. As crianças são o futuro do Brasil? Sim, são. Mas imagine o futuro sem o professor no presente. Logo, mate o professor, oprima o professor, transforme o professor em refém do medo e dessa estrutura perversa, e o futuro não será nenhum um pouco melhor, serão de trevas, densas trevas. O cenário será de caos total.

 

Por Taciano Cassimiro | Perfil no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *