Os cubanos foram às ruas neste domingo (11) pedindo por liberdade e melhores condições de vida. A ilha tem sofrido com a pandemia do coronavírus, que afastou turistas e devastou ainda mais a economia caribenha.

Há relatos de falta de comida e luz nos subúrbios de Havana, a capital cubana. O regime socialista, implantado pelos irmãos Castro e atualmente presidido por Miguel Díaz-Canel culpou os Estados Unidos pelas manifestações.

https://platform.twitter.com/widgets.js

As manifestações contra o governo de partido único começaram na cidade de San Antonio de los Baños, a cerca de 50 quilômetro da capital. Os protestos se espalharam por Havana e outras cidades pedindo o fim da ditadura do Partido Comunista, a vacinação da população contra a Covid-19, o fim dos apagões diários e do desabastecimento de comida.

https://platform.twitter.com/widgets.js

Militantes foram convocados por Díaz-Canel para impedir uma contrarrevolução “financiada pelos Estados Unidos”. Segundo o primeiro-secretário do Partido Comunista e dirigente do país, os americanos querem desestabilizar a ilha. Há anos, Cuba vive sob um embargo econômico comandado pelos EUA, o que fragiliza os negócios com outros países. Até então, a Rússia e a Venezuela davam sustentação ao regime, mas a crise do petróleo venezuelano e os problemas econômicos russos fizeram diminuir a ajuda ao país caribenho.

Relatos no Twitter e em transmissões na internet afirmam que mercados foram saqueados, carros queimados e que pessoas foram presas pelo Exército cubano. Por viver uma ditadura, a informação é controlada no país e a internet móvel, que começou a operar por lá apenas em 2018, é instável e sobre com o controle do governo. Cuba também é conhecida pela falta de liberdade jornalística e de expressão com os opositores do regime.

https://platform.twitter.com/widgets.js

A ativista oposicionista Yoani Sánchez, que já foi presa pela ditadura dos irmãos Castro, postou no Twitter diferentes relatos de detenção de jornalistas e de pessoas que relatavam as manifestações pelas redes sociais.

Carros do Exército com metralhadoras foram vistos nas ruas a partir da noite. E a comunidade internacional observa os acontecimentos ao longo desta segunda-feira para avaliar a situação no país.

A rede de notícias TeleSUR, no entanto, afirma que o clima é de tranquilidade nas ruas e que apoiadores do regime estão nas ruas para garantir a ordem.

Informações de Band.Uol

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *