Reprodução/ O Liberal

Uma mulher que sobreviveu ao acidente entre um caminhão e um ônibus, que deixou 41 mortos no interior de SP, velou lado a lado a mãe, de 48 anos, e o marido, de 25.

“Só acordei e tinha tudo acontecido já. Aí eu olhei para a frente, meu esposo estava caído, ele me protegeu. Eu sei disso porque as moças que sobreviveram também que estavam na minha frente e falaram que ele deu a vida dele por mim. Foi a pior cena da minha vida até hoje, sendo que tirou a vida do meu marido, da minha mãe”, conta a costureira Sônia Lobo Pacheco.

A colisão ocorreu no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em Taguaí (SP). O ônibus, que não tinha autorização da Artesp para circular e estava com documentos irregulares, levava trabalhadores de uma empresa têxtil.

Elian Marcos também foi um dos sobreviventes e disse que a maioria dos passageiros do ônibus estava sem cinto de segurança e dormia no momento do acidente.

“Acho que só o motorista estava de cinto e uns 90%, 95% dos passageiros, estavam dormindo”, relata Elian, de Itaí (SP), que teve apenas escoriações provocadas pelo acidente.

“Eu lembro de tudo. Lembro que antes de chegar neste local, mais ou menos a 1,5 km, eu estava dormindo no ônibus. Eu acordei, e nisso era uma curva que não dava para ver bem. Vi que tinha um ônibus e um caminhão muito devagar na frente. Não sei se falhou o freio, mas chegou muito perto do caminhão, que estava devagar, e o motorista tirou o ônibus. Nisso veio a carreta na pista contrária.”

Por: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *