Maioria dos candidatos concorreu para o cargo de prefeito.
Impugnados não poderão tomar posse.

Sete candidatos tiveram os registros impugnados nas eleições municipais 2012 no Pará, segundo o promotor de justiça Nélio Caetano Silva, coordenador do Centro de Apoio Operacional (CAO) do Ministério Público Estadual. De acordo com a promotoria, não cabem recursos nos casos de impugnação.

Segundo o MPE, os impugnados ou eram ex-gestores e ou ex-ordenadores de despesas, e tiveram a prestação de contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Eles concorreram às eleições 2012 graças a liminares, que foram derrubadas pela Justiça Eleitoral. Em caso de impugnação de candidatura, não será expedido o respectivo diploma de eleito, e o candidato não poderá tomar posse.

Estão inelegíveis Suely Xavier Soares (PSDB), ex-prefeita de Ulianópolis que concorria ao cargo de vereadora no município; Manoel Soares da Costa (PSDB), ex-prefeito de São Geraldo do Araguaia que tentava nova eleição à prefeitura; Cláudio Furman (PMDB), ex-prefeito de Tucuruí, que tentou nova candidatura ao cargo em 2012; José Martins de Melo Filho (PMDB), candidato a prefeito em Jacundá; Geraldo Francisco de Moraes (PMDB), que concorreu à prefeitura de Brejo Grande do Araguaia; Gilberto Sufredini, atual prefeito de Tailândia, que concorria à reeleição; e José Antônio dos Santos Carvalho (PSDB), que pleiteava a prefeitura de Aurora do Pará.

Dos candidatos impugnados, apenas Suely Xavier Soares, que concorreu nas urnas com o nome Suely Resende, foi eleita no último dia 7 de outubro. Ela foi a quinta vereadora mais votada no município de Ulianópolis, sudeste paraense, mas, segundo o MPE, não poderá assumir o cargo.

 

g1 pará

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *