Produtos florestais – Economia – Pará | Portal Tailândia

No Baixo Amazonas, o destaque é a castanha do Pará, que gera uma renda bruta de R$ 71 milhões, dos quais 67% circularam fora do Estado

Produtos extraídos da floresta estão gerando renda no mercado paraense e conquistando consumidores nacionais e internacionais. É o que mostra o estudo “Cadeias de Comercialização de Produtos Florestais Não Madeireiros (PFNM)”, desenvolvido pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp), com a parceria do Instituto de Desenvolvimento Florestal do Pará (Ideflor).

O estudo considera análises socioeconômicas das cadeias de comercialização dos PFNM para as Regiões de Integração do Baixo Amazonas, Guamá, Rio Caeté, Xingu e Marajó. “Os diagnósticos dos PFNM descortinam uma economia invisível até então, demonstrando que no seu entorno existe uma grande movimentação de mão de obra e geração de renda, contribuindo para a valorização dos ativos florestais como alternativa sustentável ao desenvolvimento da região”, ressalta Cassiano Ribeiro, diretor de Pesquisas Socioeconômicas e Análise Conjuntural do Idesp.

Os relatórios permitem identificar possibilidades produtivas locais e regionais, entraves tecnológicos, necessidades de investimentos (de curto e longo prazo), regularização e especialização dos agentes locais e regionais, além de apontar produtos que não constam das estatísticas oficiais ou que são subestimados, e dar recomendações para melhorar a cadeia produtiva e ampliar a geração de renda.

“O diagnóstico permite ainda uma análise regionalizada sobre a importância dos PFNM. Assim, alguns produtos apresentam importância local, como os fitoterápicos, artesanatos e óleos, geralmente tendo como principal canal de escoamento as feiras nos municípios. Outros produtos, como o açaí, adquirem expressão estadual, nacional e até internacional, e exigem canais mais sofisticados de transformação e comercialização”, destaca CassianoRibeiro.

Os estudos identificaram que, na Região de Integração do Baixo Amazonas, o produto de destaque é a castanha do Brasil, popularmente conhecida como castanha do Pará, gerando uma renda bruta de R$ 71 milhões, sendo que 67% desse valor circularam fora do Estado.

Na Região do Guamá, o destaque ficou com o açaí, com 85% da renda bruta, de R$ 88 milhões, circulando dentro do Pará. O produto também se sobressaiu nas regiões do Marajó e Rio Caeté, gerando, respectivamente, R$ 690 milhões, com 52% de circulação na região, e R$ 16 milhões, com 27% circulando fora do Estado. No Xingu, o cacau amêndoa é o principal produto, gerando R$ 1,54 bilhão, com 52% desse montando circulando fora do Pará.

Fortalecimento – Os resultados obtidos subsidiarão o Ideflor em ações que visam o fortalecimento das cadeias desses produtos. “Dentro da estratégia do Ideflor de recuperação de áreas alteradas e reflorestamento pautado em Sistemas Agroflorestais (SAF), o estudo de não madeireiros dá embasamento para que possamos discutir com os comunitários quais serão as espécies com fins comerciais que poderão ser inseridas nas ações”, informa Edson Cruz Barbosa, coordenador da Gerência de Promoção da Economia do Ideflor.

Segundo Barbosa, o objetivo do estudo é reproduzir a cadeia de comercialização desses produtos, mostrando em que nível (local, regional e nacional) estão os recursos produzidos a partir dos mesmos. “O estudo vai beneficiar toda a população paraense, mas principalmente estudantes, pesquisadores de áreas afins, agricultores e extrativistas, principalmente os povos e comunidades tradicionais e agricultores familiares (PCTAF) do Estado do Pará, que podem vislumbrar agora a força das cadeias de comercialização dos produtos oriundos de suas regiões”, enfatiza.

RESUMO EM NÚMEROS DO ESTUDO REALIZADO

– Região de Integração: Baixo Amazonas

Número de municípios: 12

Total de produtos identificados: 63

• Alimentícios: 14

• Fármaco e cosméticos: 31

• Artesanatos e utensílios: 14

• Derivados da madeira: 3

• Derivado animal: 1

Principal produto: Castanha do Brasil (R$ 71 milhões), 67% de renda bruta gerada e circulada fora do Pará

Outro destaque: Açaí (R$ 12,7 milhões) e 100% de renda gerada e circulada somente no Baixo Amazonas

Outros produtos: Cipós, sementes de cumaru, cacau, amêndoa, malva, tucumã fruto e copaíba

Renda Bruta Total (RBT) gerada e circulada: R$ 99,4 milhões

– Região de Integração: Guamá

Número de municípios: 18

Total de produtos identificados: 31

• Alimentícios: 17

• Fármaco e cosméticos: 9

• Artesanatos e utensílios: 2

• Derivados da madeira: 2

• Derivado animal: 1

Principal produto: Açaí (R$ 88 milhões), 85% de renda bruta gerada e circulada no Pará

Outro destaque: Cacau (R$ 2 milhões) e 64% de renda gerada e circulada fora do Pará

Outros produtos: muruci, urucum, mel, malva, taperebá, carvão e pupunha

Renda Bruta Total (RBT) gerada e circulada: R$ 99,5 milhões

– Região de Integração: Marajó

Número de municípios: 16

Total de produtos identificados: 55

• Alimentícios: 17

• Medicinais, fármaco e cosméticos: 19

• Artesanatos e utensílios: 14

• Derivados da madeira: 4

• Derivado animal: 1

Principal produto: Açaí (R$ 690 milhões), 52% de renda bruta gerada e circulada no Marajó

Outro destaque: Palmito (R$ 460 milhões) e 44% de renda gerada e com circulação fora do Pará

Outros produtos: Castanha do Brasil, bacaba, bacuri, artesanato regional, utensílios e cupuaçu

Renda Bruta Total (RBT) gerada e circulada: R$ 750 milhões

– Região de Integração: Rio Caeté

Número de municípios: 15

Total de produtos identificados: 34

• Alimentícios: 10

• Medicinais, fármaco e cosméticos: 13

• Artesanatos e utensílios: 8

• Derivados da madeira: 2

• Derivado animal: 1

Principal produto: Açaí (R$ 16 milhões), 27% de renda bruta gerada e circulada fora do Pará

Outro destaque: Bacuri (R$ 1,3 milhão) e 95% de renda gerada e circulada somente no Rio Caeté

Outros produtos: Buriti, mel, malva e carvão

Renda Bruta Total (RBT) gerada e circulada: R$ 22 milhões

– Região de Integração: Xingu

Número de municípios: 10

Total de produtos identificados: 46

· Alimentícios: 14

· Medicinais, fármaco e cosméticos: 21

· Artesanatos e utensílios: 8

· Derivados da madeira: 2

· Derivado animal: 1

Principal produto: Cacau amêndoa (R$ 1,54 bilhão), 52% de renda bruta gerada e circulada fora do Pará

Outro destaque: Cacau fruto (R$ 1,38 milhão) e 98% de renda gerada e circulada somente no Xingu.

Outros produtos: Castanha do Brasil, urucum, açaí fruto, palmito, taperebá e muruci

Renda Bruta Total (RBT) gerada e circulada: R$ 1,56 bilhão

Serviço:

Os relatórios do estudo estão disponíveis nos sites do Ideflor (www.ideflor.pa.gov.br) e do Idesp (www.idesp.pa.gov.br)

 

Texto:
Flávia Ribeiro – Ideflor | via Agência Pará

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.