Deflagrada Operação Arco de Fogo em Tailândia (Foto: Paulo Santos/Reuters
Deflagrada Operação Arco de Fogo em Tailândia (Foto: Paulo Santos/Reuters
Deflagrada Operação Arco de Fogo em Tailândia (Foto: Paulo Santos/Reuters)

Tailândia (PA) – A Polícia Federal (PF) vai trabalhar em conjunto com órgãos de fiscalização na Operação Arco de Fogo, iniciada hoje em Tailândia (PA), para inibir não apenas a ação dos que estão na ponta da exploração ilegal de madeira, mas também daqueles que, de fato, financiam e estimulam a atividade.

Foi o que afirmou o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional. “Estamos levando para a região uma capacidade considerável de investigação e perícia contábil para entrar na vida financeira dos operadores”, afirmou.

Ontem, chegaram a Tailândia cerca de 300 agentes da Polícia Federal, da Força Nacional de Segurança e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para implantar uma fiscalização ostensiva nas madeireiras e serrarias da cidade nos próximos dias. Há registros de, pelo menos, 160 pessoas jurídicas na atividade no município, segundo a secretaria estadual de Meio Ambiente.

Na última terça-feira (19), madeireiros e moradores que trabalham no setor tentaram impedir a retirada de madeireira que tinha sido apreendida na Operação Guardiões da Amazônia. No total, mais de 13 mil metros cúbicos foram recolhidos pelos fiscais.

Manifestantes jogam pedras na policia militar durante  os confrontos que se espalharam pela cidade de Tailândia (Foto: Paulo Santos)
Manifestantes jogam pedras na policia militar durante
os confrontos que se espalharam pela cidade de Tailândia (Foto: Paulo Santos)

Além de conter a exploração ilegal de madeira, a PF também terá pela frente o desafio de atuar em um dos municípios mais violentos do país. Tailândia é a 6ª cidade com maior taxa média de homicídios (96,2 para cada 100 mil habitantes), de acordo com o Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros de 2008.

“Nossa estratégia é estar mais presente, porque, a partir da derrubada da madeira, se desencadeia uma sequência de violência de toda ordem, que passa por homicídios e corrupção”, afirmou Luiz Fernando Corrêa.

Marco Antônio Soalheiro
Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *