Um gari da Escócia, que matou a filha de dois meses, sacudindo-a quando ela o acordou chorando, foi condenado a sete anos de prisão nesta semana.

Joseph Ray, 32, atacou a pequena Ava Ray no apartamento da família, em Prestonpans, em 1º de novembro de 2012.

Ele foi acordado pelo choro da criança e, com raiva, sacudiu-a até a morte, ato que um tribunal classificou como uma “perda momentânea de controle”.

Ray foi inicialmente acusado de homicídio doloso, após uma investigação de quase sete anos sobre a morte, mas se confessou culpado de uma acusação reduzida de homicídio culposo.

Ao prendê-lo na Suprema Corte em Glasgow, a juíza Lady Stacey disse a Ray: “Como você sabe, Ava tinha o direito de buscar em você amor, afeto e apoio. Você falhou nisso e seu fracasso teve consequências terríveis.”

“Eu acredito que tenha sido causado por uma perda momentânea de controle. Ela era um bebê pequeno e você deveria tê-la tratado com cuidado e atenção”, disse a magistrada.

“Dia cheio”

A defesa disse: “A explicação do Sr. Ray para o que aconteceu é que ele teve um longo dia de trabalho, e sua parceira, Lauren Scott, estava fora e ele ficou com os cuidados do bebê.”

Mas a promotora Ashley Edwards lembrou que o casal teve discussões após o nascimento, principalmente sobre quem ficaria acordando de madrugada.

No dia do assassinato, Ava foi deixada aos cuidados de Ray, já que Lauren tinha ido trabalhar em um bar local às 18h30.

Por volta das 22h50, Ray correu para uma casa vizinha e disse que sua filha estava “fria”.

Uma chamada para a emergência foi feita e os paramédicos encontraram Ava “de cor branca, mole e sem resposta”.

Ava foi levada às pressas para o Royal Hospital for Sick Children de Edimburgo, onde morreu na manhã seguinte.

Indeterminado

Inicialmente, a morte de Ava foi tida como “indeterminada”. Muitos profissionais colaboraram para chegar a um diagnóstico e se chegou ao entendimento de que ela sofreu um dano traumático no cérebro.

Não se sabe se o casal ainda está junto. Ray foi sentenciado por videoconferência

O Liberal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *