Um deles é que 14 de março é o Dia Mundial do Sono. 63% dos brasileiros sofrem algum problema relacionado ao sono; veja dicas para melhorar.

(Foto: reprodução)
(Foto: reprodução)

Sono

Dormir é uma delícia, mas virou uma dor de cabeça para 63% dos brasileiros, que sofrem algum problema relacionado ao sono.

Ou seja, dormir é assunto sério. Neste 14 de março, Dia Mundial do Sono, preparamos uma lista com oito curiosidades sobre o sono relacionadas à saúde. Confira:

É pessoal

Oito horas que nada. O sono tem cinco fases e ocorre em ciclos de 90 minutos. A ideia de dividir o dia em três e ter oito horas de sono é cria da Revolução Industrial e não funciona para todo mundo. Alguns organismos podem precisar de seis horas de sono, outros nove.

Recuperação do sono, uma ilusão

Não adianta. Dormir mais aos finais de semana não é suficiente para reparar todos os danos causados à saúde pelas poucas horas de sono durante o restante da semana. O hábito pode até diminuir a sensação de sonolência e o stress, mas não é capaz de evitar problemas causados pela privação do sono, como dificuldade de concentração.

Sério, desliga esse celular

Ficar no Whatsapp e Facebook antes de dormir é cilada. Uma pesquisa recente indicou que trocar muitas mensagens pelo celular durante a noite são mais propensas a ter insônia, dormir poucas horas ou sentir mais cansaço ao longo do dia seguinte.

Aparência

Não dormir direito te deixa feio. A falta de sono reduz a liberação de hormônio de crescimento que, nos adultos, reduz os processos de regeneração celular. Isso resulta em flacidez, envelhecimento precoce, cabelo debilitado e um sistema imunológico enfraquecido. Além, é claro, de olheiras.

Perigo à saúde

Você pode até morrer. Sim, estudos conduzidos com ratos comprovam que se você não dormir de jeito nenhum dentro de alguns dias a morte é uma certeza. Além disso, um estudo publicado no periódico “Sleep” indica que dormir menos do que seis horas aumenta em 12% o risco de morte prematura. Para mais de nove horas, o risco era de 30%.

À base de remédios

Dormir mal é caso de saúde pública no Brasil. Os três medicamentos tarja-preta mais vendidos (Rivotril, Lexotan e Frontal) no país são ansiolíticos, que acalmam e ajudam a dormir. Juntos, os medicamentos vendem quase 15 milhões de caixas por ano.

Faz mal ao cérebro

Dormir mal também pode causar danos cerebrais. Uma pesquisa divulgada no periódico Sleep indicou que uma noite de sono mal dormida pode aumentar em cerca de 20% de duas moléculas presentes no cérebro, a enolase neurônio-específica e a proteína S-100B. O número dessas moléculas aumentam no sangue sempre que ocorrem lesões cerebrais.

[divide style=”2″]

Via, Exame .com

Para acompanhar mais notícias de Tailândia, Curta o  Portal Tailândia no Facebook facebook.com/portaltailandia.com.br. Siga também o Portal Tailândia no Twitter e por RSS.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.