Uma simples brincadeira com uma moeda de cinco centavos terminou no hospital. O menino Miguel Carvalho Moraes, de 8 anos, engoliu a moeda e, somente após cerca de 18 horas com o item entalado na garganta, conseguiu retirar o objeto por meio de um procedimento médico. O morador de Registro, no interior paulista, foi transferido para um hospital, onde fez uma endoscopia.

Nesta sexta-feira (11), o pai de Miguel disse que acredita que o caso tenha sido um “milagre”. “[Meu filho] já está arrependido de ter brincado com a moeda. O nosso sentimento, meu e da minha esposa, é que Deus existe, porque foi um milagre. Ver ele saindo do hospital e andando bem é um milagre de Deus”, afirma Murilo Silva Moraes, de 30 anos.

O incidente aconteceu na noite da última quarta-feira (9). O pai do menino conta que a família estava em casa, por volta das 21h, quando Miguel foi até ele e contou que havia engolido a moeda. Sem ar e assustado, o menino precisou ser salvo pelo pai, que fez a manobra de Heimlich para desengasgá-lo. “Eu fiz a manobra para ver se conseguia retirar a moeda, mas não consegui”, explica.

Murilo levou o menino para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade, onde foi constatado, por um exame de raio-X, que a criança estava com a moeda presa na região do pescoço. O menino foi internado e a equipe médica decidiu tentar transferência para outro hospital, já que a unidade não realiza a endoscopia.

Com os dados do menino inseridos na Central de Regulação de Ofertas e Serviços de Saúde (Cross), e ele conseguiu vaga somente na tarde desta quinta-feira (10). No período em que ficou internado, ele não conseguia se alimentar e apresentava dificuldade para respirar.

O pai do menino relata que a criança foi transferida por volta das 14h30 para o Hospital Regional de Registro, e que o procedimento para a retirada da moeda começou por volta das 15h. Miguel precisou fazer uma endoscopia e ficou na unidade até o efeito da anestesia passar. Ele recebeu alta por volta das 17h, ainda na quinta-feira.

Murilo conta que o momento foi de alívio, e a família ficou em alerta. Ele afirma que conversou com o filho e que não imaginava que a moeda causaria sofrimento por tantas horas. “Foram 18 horas de agonia. Graças a Deus, ele teve alta”, completa.

O Liberal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *