Duas madeireiras foram embargadas pelo Ibama e pela PF.
Empresa usava madeira extraída de reserva florestal, diz Ibama.

op_driade_lote_de_madeira_para_exportao_de_grupo_fisca_lizado_foto_nelson_feitosa

Plano de manejo fraudulento possibiliou uso de madeira extraída ilegamente. (Foto: Ibama/ Nelson  Feitosa)

Um dos maiores grupos florestais do país, o grupo Concrem, com sede em Paragominas, no sudeste do Pará, foi alvo nesta quinta-feira (4) da Operação Díadre, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ibama. Duas madeireiras do grupo foram embarcagas por irregularidades na comercialização de madeira nativa. O Ibama aplicou cerca de R$ 2 milhões em multas.

Com ao menos 12 empresas associadas – entre madeireiras, firmas de exportação e fábricas de MDF processados a partir de madeira de reflorestamento -, o conglomerado é suspeito de utilizar espécies nativas exploradas ilegalmente em áreas protegidas para a fabricação de parte dos seus produtos.

A PF cumpriu 29 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em empresas localizadas em Paragominas, Dom Eliseu, Tomé-Açú e Pacajá. Além da apreensão de documentos, vários funcionários, administradores e sócios das empresas foram ouvidos.

Extração ilegal
O nome do grupo florestal paraense surgiu associado à exploração ilegal de madeira durante a Operação Maurítia, em setembro de 2011, quando o Ibama flagrou uma grande exploração irregular de madeira na Reserva Biológica (Rebio) do Gurupi, no Maranhão, próximo a fronteira com o Pará.

toras_armazenadas_na_rebio_do_gurupi_foto_nelson_feitosa

Boa parte da madeira usada pela empresa advinha da reserva Rebio do Gurupi, localizada na fronteira entre Maranhão e Pará. (Foto: Ibama/ Nelson Feitosa)

Na época, em depoimento à PF, oito homens presos em flagrante acusaram o grupo de ser o dono da derrubada, o que deu início ao inquérito policial. Com a operação Dríade, o caso deverá encerrar a etapa policial ainda este mês, seguindo para o Ministério Público para o início da ação penal.

Nestes 18 meses, as investigações comprovaram que boa parte da madeira retirada da Rebio do Gurupi foi “esquentada” nas empresas do conglomerado, por meio de um plano de manejo fraudulento de Nova Ipixuna, no sudeste paraense.

Cerca de 35 mil m3 de créditos foram utilizados para documentar com Guias Florestais fraudadas a madeira da área protegida e colocá-la no mercado nacional e internacional. O esquema gerou um faturamento de R$15 milhões às empresas, segundo a PF. No final de 2011, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade multou o grupo florestal em R$ 30 milhões em razão dos danos ambientais causados à reserva biológica.

[divide style=”2″]

Para acompanhar mais notícias de Tailândia, Curta o Portal Tailândia no Facebook facebook.com/portaltailandia.com.brSiga também o Portal Tailândia no Twitter e por RSS.

Com informações g1 pa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *