Crédito: Reprodução/Instagram

Monique Medeiros disse na carta de 29 páginas, escrita durante a prisão no Complexo de Bangu, zona oeste do Rio, que foi “a melhor mãe que Henry Borel Medeiros poderia ter tido”. Na carta ela ainda nega ter acobertado qualquer tipo de agressão ao filho.

A professora acusada de participação nas circunstâncias que levaram a morte do filho, foi diagnosticada com covid-19 e se trata na cadeia. Na carta, a mãe de Henry descreve: “Nunca acobertei maldade ou crueldade em relação ao Henry. Nunca encostei um dedo dele, nunca bati no meu filho, eu fui a melhor mãe que ele poderia ter tido. Minha vida hoje não faz mais sentido algum”.

Monique ainda relata sobre como se separou do pai de Henry e conheceu Jairinho. Ela diz estar arrependida de não ter aproveitado a companhia do filho.

“Infelizmente, hoje vi que tomei uma atitude errada. Daria qualquer coisa para ter minha família de volta, acordar vendo o meu filho sorrir, acompanhar o desenvolvimento dele, receber seu carinho diário, ouvir dezenas de vezes de como eu era linda, contar todas as histórias de monstros, castelos e príncipes, ver ele escrevendo suas primeiras palavras… Só Deus sabe e pode mensurar a dor e o buraco que existem em meu coração”.

Por: Metrópoles. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *