O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento emitiu um alerta sobre uma nuvem de fotos que estava saindo da Argentina e avançou na direção do Uruguai e do Brasil.

De acordo com uma massa, um monitoramento está sendo feito por especialistas argentinos com um grande número de gafanhotos da espécie Schistocerca cancellata .

O ministério alerta como superintendências federais de agricultura e os órgãos estaduais de defesa agropecuária para que também tomem como medidas necessárias para acompanhar uma nuvem e orientar os agricultores da região, especialmente no Rio Grande do Sul.

Também devem ser feitas ações para controlar os gafanhotos e tentar reduzir os estragos que podem causar.

De onde veio a nuvem?

Os insetos chegaram à Argentina a partir do Paraguai, onde destruíram lavouras de milho. O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa, sigla em espanhol), uma agência do governo argentino, emitiu o primeiro alerta em 11 de maio após ser avisado por autoridades paraguaias que a nuvem se dirige em direção a dois países .

Uma entrada na Argentina entrou em 21 de maio, mas o logotipo retornou ao Paraguai e permaneceu no país por uma semana antes de retornar ao território argentino.

Como Províncias argentinas de Santa Fé, Formosa e Chaco foram as mais atingidas até agora.

Os gafanhotos são perigosos?

De acordo com o governo brasileiro, essa praga não existe no Brasil desde o século 19. Embora seja uma praga rural, ela pode se tornar urbana, chegando a vilas e cidades, diz Senasa.

Mas esses insetos não afetam a saúde humana ou os animais, porque se alimentam apenas de material vegetal e não são vetores de nenhum tipo de doença.

No entanto, os gafanhotos podem afetar a atividade agrícola e, indiretamente, a pecuária, porque os insetos são alimentados por recursos usados nesta atividade. Eles também causam danos à vegetação nativa.

Pode haver 40 milhões de fotos em cerca de 1 km². Eles consomem um dia ou equivalente a um consumo alimentar de 2 mil vacas ou 350 mil pessoas, explícito ou engenheiro agrônomo argentino Héctor Medina na agência de notícias Reuters.

Por: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *