Mais de 32 mil estudantes vão ficar sem aula.

Outras 46 instituições devem entrar em greve no país. | Portal Tailândia

Professores entram em greve a partir desta quinta-feira (17). (Foto: Divulgação/Adufpa)

Os professores da Universidade Federal do Pará (UFPA) entrarão em greve a partir de hoje. A paralisação é por tempo indeterminado. Porém, alguns deles decidiram não cruzar os braços por acreditar que as negociações com o governo estão avançando.

A decisão de paralisar as atividades foi tomada por entidades representativas em todo o Brasil. “Os professores da UFPA não fazem greve há sete anos. Desde então, tentamos negociar nossas demandas, mas o governo não apresenta propostas, apenas recusas. Nós não podemos ficar esperando a boa vontade deles”, disse o diretor da Associação de Docentes da UFPA (Adufpa), Gilberto Marques. A última greve dos professores, em 2005, durou 112 dias.

A pauta de reivindicações inclui a incorporação de gratificações ao salário, 4% de reajuste salarial e restruturação no plano de carreira da categoria. “Hoje em dia, o salário do professor é um dos menores entre o funcionalismo público federal. Alguns cargos de nível médio pagam salário maior do que o do professor doutor da universidade”, comentou Marques.

Muitos setores da UFPA não deixarão de funcionar por conta da greve. Os cursos de pós-graduação (especializações, mestrados e doutorados), por exemplo, não serão afetados pela paralisação. Além disso, as orientações para quem faz o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) devem ser mantidas. Alguns cursos, como o de Geologia, também não devem ser afetados. “Nosso curso nunca adere às greves. Por conta disso, não fará diferença para nós”, afirmou a estudante Gabrielle Santos, de 18 anos de idade.

 

Portal ORM

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.