O Brasil é o quarto país que mais produz plástico no mundo, com 11,355 milhões de toneladas, ficando atrás apenas de Estados Unidos, China e Índia, segundo levantamento do (Fundo Mundial para a Natureza) com números do Banco Mundial.

Foto: Cleyton Rogerio / Portal Tailândia

O estudo analisou a relação com o plástico em mais de 200 países, e apontou que o brasileiro produz, em média, aproximadamente um quilo de lixo plástico a cada semana. E entre os dez maiores produtores, o Brasil é o que tem o menor índice de reciclagem (1,28%), bem abaixo da média global, que é de 9%.

No Brasil, segundo dados do Banco Mundial, mais de 2,4 milhões de toneladas do Lixo plástico são descartadas de forma irregular, sem qualquer tipo de tratamento, em lixões a céu aberto. Outros 7,7 milhões de toneladas são destinadas a aterros sanitários. E mais de 1 milhão de toneladas sequer são recolhidas pelos sistemas de coleta.

Foto: Cleyton Rogerio / Portal Tailândia

Em Tailândia são recolhidas diariamente pelas equipes da prefeitura mais de 60 toneladas de lixos e entulhos das ruas da cidade. Toda coleta vai para o lixão aberto, localizado na Vicinal do Cemitério.

É desse lixão a céu aberto que muitos homens e mulheres tiram o único sustento da família em Tailândia. O local fica, próximo a vila Jardim Liberdade, onde muitos dos catadores moram, por ficar nas perto do trabalho.

Foto: Cleyton Rogerio / Portal Tailândia

Uma das possíveis soluções está a destinação correta, a reciclagem e a diminuição da produção de lixo plástico. Todo plástico encontrado no lixão de Tailândia é embalado e vendido para empresas de reciclagem.

Soluções como o banimento de canudinhos e descartáveis são boas iniciativas, mas o trabalho precisa ir além da proibição. É importante reconhecer e valorizar esses projetos de lei.

Mas é preciso um trabalho com os estabelecimentos comerciais para que eles não continuem ofertando produtos plásticos e com o consumidor para que faça o descarte corretamente.

(Com informações Danyelle Alencar / SBT Tailândia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que aconteceu hoje, direto no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.