Após decisão do STF, operários voltaram às frentes de trabalho.
Obras estavam paradas desde 14 de agosto.

Trabalhadores retornaram para as frentes de trabalho  (Foto: Divulgação/ Norte Energia)
Trabalhadores retornaram para as frentes de trabalho (Foto: Divulgação/ Norte Energia)

Trabalhadores da Usina Hidrelétrica de Belo Monte retornaram as atividades nesta terça-feira (28). Cerca de 10 mil funcionários voltaram ao trabalho às 5h30 da manhã nos três canteiros de obras da usina, que está sendo construída no rio Xingu, em Altamira, no sudoeste do Pará.

A retomada da construção hidrelétrica foi possível após o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ayres Britto, conceder na última segunda-feira (27) uma liminar autorizando a continuidade dos trabalhos. A paralisação havia sido determinada do dia 14 de agosto, pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Segundo o desembargador do TRF-1, Souza Prudente, os povos indígenas da região teriam que ser consultados sobre a construção da usina. Na semana passada, a Advocacia-Geral da União(AGU) apresentou recurso ao STF afirmando que a paralisação da obra causa danos à economia brasileira e à política energética do país.

Entenda o caso
A Usina Hidrelétrica de Belo Monte está sendo construída no rio Xingu, em Altamira, no sudoeste do Pará, com um custo previsto de R$ 25 bilhões.

O projeto tem grande oposição de ambientalistas, que consideram que os impactos para o meio ambiente e para as comunidades tradicionais da região, como indígenas e ribeirinhos, serão irreversíveis.

A obra também enfrenta críticas do Ministério Público Federal do Pará, que alega que as compensações ofertadas para os afetados pela obra não estão sendo feitas de forma devida, o que poderia gerar um problema social na região do Xingu.

Expediente começou às 5h30 da manhã (Foto: Divulgação/ Norte Energia)
Expediente começou às 5h30 da manhã (Foto: Divulgação/ Norte Energia)
g1 pará
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.