Atualemente o que não falta é diversidade de fraudes, com a expansão dos meios de comunicação como a internet, por exemplo, podemos detectar mais facilmente os tipos de fraudes e de estelionatários.

Reprodução

Outra coisa importante é que quando um crime é descobeto não fica em público só na localidade em que aconteceu, mas torna-se conhecido de todos aqueles que acessam a grande rede.

Um exemplo de site especializado em divulgar os crimes desse tipo é o MONITOR DAS FRAUDES. E dando um pesquisada, o Portal Tailândia encontrou uma matéria interessante de 2007. Veja abaixo o que ela diz sobre Homens são presos em Tangará acusados de estelionato:

” Um fato que aconteceu na última semana em Tangará da Serra chamou a atenção da polícia, alertando a população para casos como estes no município. Durante a última semana foram entregues panfletos em vários bairros da cidade, onde o mesmo oferecia cursos em diversas áreas, tais como informática, administrativa, contabilidade, telemarketing, vendas, turismo e hotelaria. Estes cursos seriam realizados em uma escola de informática localizada no centro da cidade. Através de um aerograma, entregues em alguns bairros, informava que determinadas residências haviam sido pré-selecionadas para participarem do curso. No aerograma constava que os cursos oferecidos faziam parte do Movimento Nacional pelo Emprego, e que o aluno ganharia um benefício mensal no valor de R$ 40 para realizar um dos cursos. Nele citava que a empresa seria de São Paulo. Além disso outras informações equivocadas constavam no panfleto o que supostamente trataria-se de uma fraude. Uma escola da cidade, foi utilizada para a realização das inscrições, porém a diretora da escola não sabia a procedência dos cursos, sendo apenas informada de que o espaço seria utilizado para a realização de uma palestra. Devido a estes fatores e outros a polícia tomou conhecimento do fato, e prendeu na manhã do último sábado dois suspeitos de estelionato, Valdeci Raul Borges Ferreira e André Alves Pascoal.

De acordo com o delegado de polícia, Cláudio Freez, algumas pessoas chegaram a pagar o valor de R$ 49,90 que segundo os acusados tratava-se do valor do curso. Freez informa que diante dos fatos, foi verificado algumas irregularidades no contrato onde o mesmo não informava o número da carga horária do curso, nem quais seriam os cursos oferecidos. Ele destaca também que a escola de informática também será indiciada. Cerca de 29 pessoas caíram neste golpe.”

Endereço: http://www.fraudes.org/clipread.asp?CdClip=3311

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.