Joana Fabris Deon foi morta com um tiro (Arquivo pessoal)

O juiz Paulo Meneghetti, da 1ª Vara Criminal de Bento Gonçalves (RS), escreveu em sua decisão que determinou a prisão de Eduardo Scaravonatto, de 19 anos, que este disse ao pai “acertei a menina”, referindo-se à namorada, Joana Fabris Deon, também de 19 anos. O crime aconteceu no sábado (17). O próprio pai denunciou o filho.

“O pai de Paulo disse que o casal estava em sua casa, quando pelas 4h ouviu um ‘forte estouro’ e logo o seu filho disse ‘acertei a menina, acertei a menina’. Foi até o local e viu a vítima imóvel e o revólver no chão”, afirma o juiz na decisão.

O suspeito se contradisse na polícia ao afirmar que a namorada havia sido vítima de latrocínio. Ele primeiro disse que conhecia um dos supostos bandidos, depois voltou atrás. Na decisão, o juiz entendeu que “há suficientes indícios de autoria e materialidade do crime”.

Segundo apurou a Polícia Civil, Joana morreu após levar um tiro de uma arma calibre 38. O suspeito foi à delegacia e prestou falso testemunho e foi liberado. Mas o próprio pai do rapaz, horas depois, o denunciou à polícia. O primeiro boletim de ocorrência não indicava a hipótese feminicídio, devido às informações inverídicas, segundo a polícia.

Por: UOL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *