(Foto: divulgação)
(Foto: divulgação)
(Foto: divulgação)

Pasme ou não, as controvérsias no cristianismo nasceram muito cedo. Já no primeiro século os apóstolos e presbíteros reuniram-se para tratar de assuntos concernentes a lei e ao ingresso dos novos conversos a fé em Cristo, Concílio de Jerusalém (At 15).

Após o período apostólico as mais diversas controvérsias surgiram, destacamos: a novaciana (sobre o perdão de pecados graves após o batismo); a donatista (sobre a natureza da igreja, todos devem ser rebatizados e fazerem parte do donatismo); o ebionismo (Jesus é filho de José e Maria, mas foi adotado por Deus. Conhecemos essa crença como adocionismo).

Nesse período, grandes teólogos surgiram: Justino Mártir (100-165); Basílio, O Grande, de Cesaréia (370-379), e Agostinho de Hipona (354-430), um dos maiores teólogos e filósofos da igreja que lutou contra o pelagianismo, o donatismo e o maniqueísmo que dentro de seu sistema de crença defendia o dualismo, bem versus mal. Essa crença anda muito presente nos círculos evangélicos, a ponto de as vezes se ter a impressão, de que não pode existir Deus sem o diabo, pois tudo que se fala tem o ‘coisa ruim’ no meio.

Nos períodos conciliares a igreja travou embates sobre doutrinas que hoje são aceitas por nós como fundamentais, e sua importância é tão relevante que a aceitação ou não de tais doutrinas (Trindade, Cristo verdadeiro homem e verdadeiro Deus, união hipostática das naturezas, O Espírito Santo é Deus verdadeiro), são determinantes para afirmarmos ser um segmento seita herética ou não. Dentre os concílios, que ao todo foram vinte e um (incluindo os concílios pós Reforma), destacamos o de Nicéia (325); Constantinopla (381) e Éfeso (431) por terem tratado de assuntos basilares de extrema importância como a natureza de Cristo e sua divindade entre outros.

Na Reforma Protestante as controvérsias continuaram: batismo (aspersão, imersão, batismo infantil); governo da igreja (presbiteriano, episcopal ou congregacional);  doutrina da predestinação e livre-arbítrio; o sacramento da ceia (transubstanciação, consubstanciação, simbólica ou espiritual). Nesse período de não pouca duração destacamos alguns personagens como Martinho Lutero (1483-1546); João Calvino (1509-1564); Jacó Armínio (1560-1609). Da Reforma até nossos dias, temos ainda Willian Perkins, Jonathan Edwards, Charles Hodge, Karl Barth, John Gresham Machen, George Lad, Roger Olson e tantos outros.

Pois bem, meu propósito foi mostrar que as controvérsias fazem parte do cristianismo e sua história. Contudo o que me assusta são os embates atuais. Principalmente nas redes sociais onde surgem os “teólogos Facebook” que nenhuma consideração têm por seus irmãos, pois a ideia é desqualificar o outro por meio do debate, é vencer ou vencer. Geralmente tal debate é desprovido de conhecimento histórico, cultural, gramatical e teológico. Ainda citamos a falta de respeito que é uma constante. Homens conhecidamente piedosos, que estudaram e se especializaram na Palavra de Deus para melhor instruir o rebanho são taxados de “velho gagá“, “esclerosado“, “frio“, “sem o Espírito“, por noviço e por aqueles que nada ou quase nada estudaram e se consideram expert em teologia Bíblica. Precisamos entender que mesmo na controvérsia é preciso haver respeito e caridade.  Unidade no essencial, liberdade no secundário, caridade em tudo.

As controvérsias não são ruins em si mesmas, embora elas possam vir acompanhadas de divisões. Na história elas nos proporcionaram a oportunidade de pesquisar e fundamentar melhor as doutrinas essenciais da fé. Acredito que precisamos olhar o lado positivo das controvérsias. As mesmas não precisam nos dividir, separar batistas, presbiterianos, assembleianos e luteranos. É possível convivermos em paz, e compartilharmos o que nos une.

Em minha peregrinação tenho ministrado em igrejas batistas, assembleias de Deus (diversas ramificações), luteranas, metodistas, etc. Adoro ao Senhor pelas oportunidades recebidas para compartilhar o amor, a fé e a esperança em Cristo, sem barganhar a verdade. Porém procurando sempre me conduzir entre os santos com sabedoria e sensatez.

Que Deus nos ajude!

 

Taciano Cassimiro, é líder da Igreja Presbiteriana de Tailândia. Bacharel em Teologia, palestrante e escritor. Leciona História, Sociologia e Filosofia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *