As duas equipes não fizeram grande partida. Paysandu teve mais volume de jogo, enquanto o Luverdense se segurou na defesa

 

Não foi a estreia dos sonhos para nenhuma das duas equipes, mas o Paysandu levou a melhor e venceu o Luverdense por 2 a 0 jogando em casa. A partida começou nervosa, com as duas equipes se conhecendo em campo. O time paraense fez valer o mando de jogo e teve mais posse de bola nos dois tempos, apesar de mostrar falta de criatividade no meio de campo. O Luverdense pecou ao entrar no estádio Leônidas Castro, a Curuzu, com uma proposta muito defensiva e, quando tentou ir ao ataque, era tarde demais para reverter a situação.Os gols aconteceram apenas no segundo tempo, saindo da cabeça de Kiros, aos 12 minutos, e dos pés de Thiago Potiguar, aos 15.

Jogo começa truncado e com muitos cartões

O primeiro tempo começou bastante truncado, com as equipes se estudando. Foram poucas as chances de gol nos primeiros minutos. O árbitro piauiense Antônio Trindade de Sousa começou marcando poucas faltas na tentativa de deixar o jogo seguir. A primeira chance de perigo foi do Paysandu, aos 7 minutos. O ala Yago Pikachu, uma das armas de Roberval Davino, avançou pela direita e chutou cruzado. O goleiro do Luverdense, Fernando Wellington, conseguiu espalmar e Kiros, no rebote, mandou para fora. Aí o jogo começou a esquentar.

O Paysandu se movimentava bastante no meio de campo, porém o atacante Kiros saía muito da área, dificultando as chegadas no ataque. Do outro lado, o Luverdense tentava ataques pelo seu setor esquerdo, principalmente com as subidas do lateral Janilson e a movimentação do atacante Pablo. Mas a defesa bicolor se mostrava bastante segura e evitava o avanço dos visitantes.

Mesmo com o time vencendo, Ricardo Capanema, do Paysandu, acabou sendo expulso no segundo tempo (Foto: Marcelo Seabra / O Liberal)

O lance mais perigoso do Paysandu aconteceu aos 20 minutos. O volante Ricardo Capanema puxou o contra-ataque e abriu na esquerda com Thiago Potiguar. O meia-atacante rolou para o camisa 10 Leandrinho, que deixou Pikachu de frente para a meta do LEC. O ala chutou e Fernando Wellington mandou para escanteio.

Passada a primeira metade do primeiro tempo, o árbitro começou a mudar seu estilo de trabalho. Com o Paysandu dominando a partida, o LEC começou a fazer muitas faltas no meio campo. Aí, Antônio de Sousa começou a distribuir cartões amarelos. Ao todo foram seis apenas na primeira etapa, três para cada lado.

 

O meio de campo do Paysandu continuava trabalhando bem, tocando bastante a bola, mas pecava nas finalizações. Pikachu foi o jogador mais incisivo do Paysandu no primeiro tempo. O jogador, com bastante habilidade, deu trabalho à defesa do Luverdense pela ala direita. Kiros desperdiçou uma chance clara de gol após assistência do camisa 2 bicolor. O ala avançou pela direita, driblou dois defensores do LEC e cruzou rasteiro para o camisa 9 no Paysandu, que, de frente para o gol, mandou para fora.

Até então, o goleiro Paulo Rafael não havia trabalhado. Os visitantes começaram a se soltar apenas depois dos 30 minutos e conseguiram chegar com perigo ao ataque pela primeira vez. Aos 32 minutos, Pablo chutou no canto, a bola passou por Paulo Rafael e o zagueiro Fábio Sanches tirou a bola em cima da linha, evitando o que seria o gol do time de Lucas do Rio Verde.

Próximo do fim da primeira etapa, o Luverdense se soltou mais e conseguiu exercer seu estilo de jogo. Nos últimos minutos, o os mato-grossenses aproveitaram para ficar com a posse de bola e gastar tempo.

Segundo tempo começa agitado

Os times voltaram a campo afim de tirar logo o placar do 0 a 0. O Papão da Curuzu chegou primeiro com perigo. Thiago Potiguar cobrou escanteio no primeiro pau, o volante Fabinho bateu de cabeça e a bola passou raspando a trave. O gol bicolor estava amadurecendo e, aos 12 minutos, finalmente saiu. Após cruzamento da direita, Kiros não desperdiçou e mandou de cabeça, indefensável para Fernando Wellington.

O lateral Régis foi substituído após lesão no tornozelo (Foto: Marcelo Seabra/O Liberal)O lateral Régis foi substituído após lesão no
tornozelo (Foto: Marcelo Seabra/O Liberal)

O Verdão do Centro Oeste tentou responder rápido ao baque. Logo após a saída do meio de campo, Valdir Papel tentou jogada pela direita, obrigando Paulo Rafael a fazer difícil defesa. Mas os bicolores se aproveitaram da instabilidade do LEC. Aos 15 minutos, a defesa do Verdão se atrapalhou e a bola sobrou para Thiago Potiguar que, de cara com Fernando Wellington, mandou de cobertura: 2 a 0 para os alvicelestes. E quase os bicolores ampliam o placar poucos minutos depois. Pikachu chegou atrasado depois de cruzamento de Potiguar.

O jogo amornou. Os dois técnicos aproveitaram para mexer em suas equipes. No LEC, Dado Cavalcanti colocou Tatu em campo, deixando o time com três atacantes. Era a tentativa de dar mais ofensividade ao time do Mato Grosso. Enquanto isso, Roberval Davino colocou Rafael Oliveira no lugar de Kiros, que saiu aplaudido pelos torcedores paraenses. Com muitos jogadores ofensivos no Luverdense, o técnico bicolor procurou segurar mais o jogo e investir nos contra-ataques.

Apesar continuar com mais volume de jogo, o volante Ricardo Capanema acabou sendo expulso após falta boba no meio de campo. O jogador já tinha cartão amarelo e recebeu o segundo. Apesar de ficar com um jogador a menos, Davino não recuou sua equipe. O técnico bicolor sacou Thiago Potiguar, cansado, e colocou o veloz atacante Heliton.

O Luverdense criou algumas jogadas de perigo no

final do jogo e, por isso, o zagueiro Pablo entrou no lugar Régis, que sofreu uma lesão no tornozelo e preocupa o DM bicolor. Mesmo assim, era tarde demais para o Verdão do Centro Oeste mudar a história do jogo, mesmo com superioridade numérica.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.